Biblioteca informa horário de férias

Publicado em Notícias
22 de dezembro de 2010

A partir desta semana a Biblioteca J. Baeta Vianna, do campus Saúde está funcionando em horário reduzido, devido ao período de férias.

De 20 a 23 de dezembro e de 27 a 30 de dezembro, o horário será de 8h às 17h, de segunda a quinta-feira.

Em janeiro de 2011 a biblioteca funcionará no horário de 7h às 18 horas, de segunda a sexta-feira. Aos sábados, não haverá expediente.

A devolução dos livros emprestados nas férias está marcada para o dia 28 de fevereiro de 2011, data em que o horário temporário volta ao normal. De segunda a sexta-feira, das 7h às 21h30.

O atendimento aos sábados volta à normalidade no dia 12 de março, das 8h às 12h, depois do Carnaval.

Mais informações: (31) 3409 9733

Share

Saúde cria cadastro nacional de estudos clínicos

Publicado em Notícias
22 de dezembro de 2010

A ciência no Brasil ganhou uma importante ferramenta tecnológica de divulgação e acesso a pesquisas.

Trata-se do “Registro Brasileiro de Ensaios Clínicos” (RBEC), um cadastro de pesquisas clínicas realizadas em seres humanos, fruto de uma parceira entre o Ministério da Saúde, Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas). Até então, os cientistas do país eram obrigados a recorrer a plataformas estrangeiras.

O registro será feito pela internet, o que deve dar, segundo o Ministério da Saúde, “maior transparência à divulgação dos estudos”. Além disso, a plataforma de funcionamento do RBEC  é um software livre e, dessa forma, de acesso gratuito.

Pelo sistema, será possível ainda recrutar voluntários que queiram participar de pesquisas sobre tratamentos, medicamentos e outras na área da saúde.

Foram investidos US$ 130 mil na criação do RBEC, que deve receber cerca de 200 estudos por ano.

(Com Ministério da Saúde)

Share

Verão em boa forma

Publicado em Notícias
22 de dezembro de 2010

Deixar de comer é um erro comum e bastante perigoso

Não tem chuva, excesso de contas ou falta de tempo que possa tirar a disposição de quem está obstinado a entrar no ano novo em boa forma -  ou, pelo menos, sem aqueles “dois quilinhos” que tanto pesam na balança.

A má notícia para esses ‘atletas de verão’, a maioria já sabe: fazem parte da ficção as dietas ou exercícios físicos que parecem esculpir num corpo sedentário uma silhueta semelhante a das pessoas que se dedicam a uma vida saudável durante todos os meses do ano.

Mas é possível alcançar alguns resultados positivos, de forma gradual e adequada a cada individuo, em curto prazo.

“Depende do estado inicial da pessoa. Se ela está muito fora de forma, vai precisar de mais tempo. Mas é possível, às vezes em um mês ou dois, perder poucos quilos. Vai depender de cada um”,  afirma Gustavo Sena Sousa, educador físico, supervisor técnico do Laboratório do Movimento da UFMG e doutorando em Ciências da Saúde, na Faculdade de Medicina da UFMG.

O aconselhável, segundo Gustavo Sena, é procurar um profissional, que, depois de uma avaliação, vai poder indicar o programa físico adequado para cada pessoa. Outra opção, mais econômica e indicada para a correria de fim de ano, é fazer da rotina uma academia de ginástica.

“É possível se exercitar em casa, no trabalho, como meio de transporte e nos tempo de lazer. Se você pega dois ônibus, por exemplo, e abre mão de um para andar de pé, está fazendo atividade física. Se precisa ir ao quarto andar de um prédio, vá de escada”, recomenda o professor.

Promessa perigosa

Aquela receita dos tempos da vovó para emagrecer rapidamente ou o famoso “fechar a boca” podem oferecer sérios riscos à saúde.

Para perder peso de forma saudável, a professora Anelise Impelizieri Nogueira – endocrinologista e chefe do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da UFMG,  é categórica: é preciso uma dieta balanceada.

“Se você passa semana vivendo de alfaces, pode ter certeza que vai perder peso. Mas a pessoa não deixa de ter a gordura. O que acontece, na maioria dos casos, é engordar ainda mais depois. Paga-se um preço muito alto”, afirma. Segundo a professora, o organismo tem uma espécie de memória. Vive-se em economia de guerra por um tempo, depois desse período, vai continuar “cobrando” muito por alimentos.

Quando o problema com a balança vai além de uma preocupação estética, o ideal é procurar um especialista. Nos outros casos, procurar informações em sites e revistas especializados pode ser uma boa opção. “É claro que isso deve ser feito com bastante critério. Mas temos bons sites com informações sobre peso e vida saudável, como o da Sociedade Brasileira de Diabetes e também o da Endocrinologia”, afirma.

Moderação também é o alerta dos educadores físicos. “O corpo emite sinais como insônia, falta de apetite quando há excesso. A pessoa poder perder massa magra, que é, justamente, aquela que devemos manter”, frisa Gustavo Sena. O abuso na prática de exercícios, porém, é uma exceção. “O mais comum é o sedentarismo. Esse sim é um grande problema de saúde pública”, decreta. Que o puxão de orelha valha para o próximo ano.

Share

Cai número de cirurgias radicais do câncer de mama

Publicado em Divulgação científica
20 de dezembro de 2010

Um estudo realizado pela médica Débora Balabram (na foto, à direita), em sua dissertação de mestrado na Faculdade de Medicina da UFMG, concluiu que houve mudanças na maneira como o câncer de mama é diagnosticado e tratado no Hospital das Clínicas da UFMG.

Sob orientação da patologista Helenice Gobbi, chefe do Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal, Débora analisou os resultados de 12.662 exames anatomo-patológicos, feitos no Laboratório de Patologia Mamária (LPM) da Faculdade de Medicina da UFMG nos últimos 20 anos, e encontrou uma tendência à diminuição das cirurgias radicais em prol de tratamento mais conservador.

A técnica radical, usada em mais de 80% dos casos de câncer que chegavam ao Hospital das Clínicas em 1989, consistia na retirada de toda a mama e dos linfonodos axilares para tratar o câncer e, em seguida, a paciente era submetida a tratamento complementar (quimioterapia).

O tratamento alternativo retira o tumor, com margens livres, preservando a maior parte da mama, seguido por radioterapia.

O Inca, Instituto Nacional de Câncer, publicou um consenso em 2004, baseado em estudos randomizados, mostrando que a sobrevida de pacientes submetidas às cirurgias conservadoras e em seguida à radioterapia é a mesma daquelas submetidas a ressecção de toda a mama.

Em 2008, no Hospital das Clínicas da UFMG, os tratamentos conservadores já eram utilizados na maioria dos casos. Esta cirurgia não é indicada para todas as pacientes. Tumores grandes em relação ao tamanho da mama, carcinoma inflamatório e contra-indicação para radioterapia são alguns dos quadros que impedem sua realização.

O número de exames anatomopatológicos realizados no serviço também cresceu: de pouco mais de 300 por ano, no início do período estudado, para um patamar de aproximadamente 900, que perdura desde o inicio dos anos 2000. A explicação para isso é o crescimento do próprio hospital, que se tornou centro nacional de referência para tratamento do câncer.

Avanços

São diversas as razões para as mudanças no tratamento do câncer de mama. Uma delas é o conhecimento de que a sobrevida não se modifica quando o tratamento conservador é utilizado. Outra é a melhora dos equipamentos de exame de imagem, como a mamografia.

Ela é usada para rastreamento do câncer em mulheres assintomáticas, e o Inca recomenda sua realização no mínimo a cada dois anos para mulheres entre 50 e 69 anos. Mulheres com maior risco de desenvolver a doença devem iniciar o rastreamento aos 35 anos.

Mesmo sabendo-se que a mamografia aumenta a detecção precoce e a sobrevida das pacientes com câncer de mama, no Brasil apenas em 2009 foi implementado um programa nacional de triagem da doença, o Sismama, Sistema de Informação para Controle do Câncer de Mama.

O diagnóstico precoce é fundamental para o sucesso dos tratamentos conservadores. Porém, a adesão à mamografia ainda é baixa: apenas 50% das mulheres fazem o exame regularmente a cada dois anos, como recomenda o Inca. Espera-se melhora destes índices com a introdução do Sismama.

Débora Balabram ressalta a importância do acompanhamento regular, afirmando que “quanto mais precoce é feito o diagnóstico, maiores as chances da paciente  não precisar retirar toda a mama”.

SERVIÇO
Programa: Pós-Graduação em Patologia
Título:
Mudanças no diagnóstico e tratamento das doenças da mama em 20 anos (1989 a 2008) no Hospital das Clínicas da UFMG
Nível:
Mestrado
Autora:
Débora Balabram
Banca Examinadora:

Profa. Helenice Gobbi/ Orientadora – UFMG
Profa. Arminda Lúcia Siqueira/ Coorientadora – UFMG
Profa. Monica Maria Demas Alvares Cabral – UFMG
Dr. Márcio de Almeida Salles – Hospital da PMMG
Defesa:
30 de agosto de 2010

Share

Horário especial no bandejão Saúde no final de ano

Publicado em Agenda
20 de dezembro de 2010

A direção da Fundação Universitária Mendes Pimentel informa que o Restaurante Universitário do campus Saúde da UFMG estará fechado de 24 de dezembro de 2010 a 2 de janeiro de 2011.

O fechamento será devido a obras de reforma do piso da área de produção do restaurante.

(Com Comunicação Social da Fundação Universitária Mendes Pimentel)

Share

Meu problema é – Dentes

Publicado em Saiu na Imprensa
20 de dezembro de 2010

Publicado em 20 de dezembro de 2010, no jornal O Tempo, página 19. Telma Lorentz é periodontista e professora adjunta da faculdade de Odontologia da UFMG.

Share

Saúde Mental abre curso de Psicoterapias Cognitivas

Publicado em Notícias
17 de dezembro de 2010

Inédito em Minas Gerais, o curso de Especialização em Psicoterapias Cognitivas, do Departamento de Saúde Mental da Faculdade de Medicina, está com inscrições abertas para sua primeira turma. São oferecidas 40 vagas, exclusivamente para profissionais formados em Psicologia e Medicina. As aulas serão realizadas de 11 de março a 17 de dezembro de 2011.

De acordo com coordenador do curso, professor José Carlos Cavalheiro da Silveira, o corpo docente será formado por professores convidados da UFMG, da Universidade de São Paulo (Usp) e da Universidade Federal da Bahia (UFBA). São profissionais de diversas áreas: Psicologia, Lingüística, Biologia, Filosofia e Neurociências Cognitivas.

“As psicoterapias cognitivas caminham na direção das psicoterapias do futuro. Sua principal rubrica é o formato breve”, explica o coordenador. “A UFMG será vanguarda na formação desse tipo de psicoterapeuta no estado”, completa.

Os candidatos podem se inscrever até o dia 4 de fevereiro pela internet, na página da Fundep; pessoalmente, nos postos de atendimento da Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa (Fundep) ou ainda pelos Correios. A taxa é de R$ 40. O edital completo, com a documentação exigida e o cronograma da seleção, está disponível na página do SAM.

Share

HC coordena Rede Nacional de Pesquisas Clínicas

Publicado em Notícias
17 de dezembro de 2010

O Centro de Pesquisas Clínicas do HC/UFMG foi eleito o novo coordenador da Rede Nacional de Pesquisas Clínicas em Hospitais de Ensino. A escolha do núcleo da rede é realizada a cada dois anos pelo Departamento de Ciência e Tecnologia do Ministério da Saúde.

O professor Ricardo de Amorim Corrêa, do Departamento de Clínica Médica, coordena o Centro de Pesquisas Clínicas do HC

“Atualmente, a rede é composta por 32 hospitais de ensino de todo o país. Ela foi fundada com o objetivo de organizar a pesquisa clínica voltada para atender prioridades da saúde pública, no âmbito da assistência e da produção de medicamentos, por exemplo”, explica o professor do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da UFMG, Ricardo de Amorim Corrêa, que coordena o Centro de Pesquisas do HC.

Na avaliação do professor, a escolha do Hospital das Clínicas da UFMG para coordenar a rede trará reconhecimento e aprimoramento de um trabalho que já é realizado com excelência. “Isso significa que tanto os pesquisadores quanto os funcionários da área de pesquisa clínica são extremamente especializados”, conclui.

* Com Assessoria de Comunicação do Hospital das Clínicas

Share

Programa orienta a realização de promessas de fim de ano

Publicado em Notícias
17 de dezembro de 2010

Para encerrar o ano de 2010 e começar o ano com o pé direito, o Saúde Com Ciência vai reapresentar entre os dias 20 e 24 de dezembro, o programa “As promessas de fim de ano”.

Afinal, ano novo é momento de recomeçar. E promessa é um hábito que faz parte da virada.

Tem quem jure que vai parar de beber ou de fumar. Começar a dieta de emagrecer, então, provavelmente é a recordista, ao lado da promessa de iniciar a prática regular de vários outros hábitos saudáveis.

O programa, que no dia de Natal dá dicas inclusive para quem quer ficar mais amoroso e social, vai ao na Rádio UFMG Educativa de segunda a sexta, às 5h, 8h, 18h, e também em uma rede formada por outras 20 rádios conveniadas (Onde Ouvir).

Produzido pela Faculdade de Medicina, tem apoio das unidades do campus Saúde da UFMG, e patrocínio da Casu e do CNPq.

Férias

Ficar à toa, passear, se divertir. Férias, enfim! A partir de 3 de janeiro o Saúde Com Ciência traz novas séries direcionadas a promover a qualidade de vida, falando sobre como descanso e trabalho, cuidados com a pele e alimentação nas férias.

Uma série de especialistas, de diferentes ares vai orientar sobre maneiras de aproveitar o período de descanso sem prejuízo à saúde.

Cuidados simples como programar horários e atividades, evitar exageros na alimentação, consumir alimentos saudáveis e leves, entender exatamente o sentido das palavras “álcool” e “moderação”, e reforçar a necessidade de se usar o protetor solar adequado e de se prevenir doenças da pele. Enfim, dicas para garantir férias divertidas, mas saudáveis.

Conheça o Saúde com Ciência

PROGRAMAÇÃO DA SEMANA
Promessas de fim de ano”

Programa 1
Vou parar de Fumar! Segunda-feira, 20/12.

Duração: 3min53
Entrevistado: Dr. Luiz Fernando Ferreira Pereira – pneumologista, coordenador do Ambulatório de Tabagismo do Hospital das Clinicas da UFMG.

Programa 2
Vou fazer regime! Terça-feira, 21
/12.
Duração: 3min38
Entrevistado:Dra. Maria Isabel Correia – Professora do Departamento de Cirurgia da Faculdade de Medicina da UFMG, especialista em nutrologia.

Programa 3
Vou praticar atividade física! Quarta-feira, 22
/12.
Duração: 4min27
Entrevistado: Gustavo Sena Sousa – educador físico, supervisor técnico do Laboratório do Movimento da UFMG e mestrando em Ciências da Saúde.
Dra. Luana Caroline dos Santos – Professora do curso de Nutrição da UFMG, na Escola de Enfermagem.

Programa 4
Vou parar de beber! Quinta-feira, 23
/12.
Duração: 3min55
Entrevistado: Dr. Amadeu Roselli Cruz – Professor do curso de Pós-graduação em Neurociência e Comportamento do Instituto de Ciências Biológicas da UFMG.

Programa 5
Vou ficar mais tranqüilo e mais amoroso! Sexta-feira, 24
/12.
Duração: 3min47
Entrevistado: Dr. Mauro Ivan Salgado – Professor do Departamento de Cirurgia da Faculdade de Medicina da UFMG.

Share

Cantata Carmina Burana emociona o público

Publicado em Notícias
17 de dezembro de 2010

Dezenas de pessoas puderam conferir, nessa quinta-feira, 16 de dezembro, a remontagem de uma obra escrita no século XIII: a cantata Carmina Burana. A ópera é composta de textos medievais que foram musicalizados pelo compositor alemão Carl Orff.

Outras duas apresentações da Cantata Carmina Burana estão previstas para esta sexta-feira, 17, e sábado, 18, como parte das comemorações do Centenário da Faculdade de Medicina da UFMG.

Sob regência da maestrina Iara Fricke Matte, professora da Escola de Música da UFMG, mais de 60 vozes, além de um coral infantil com 20 integrantes, percussionistas, pianistas e solistas vocais, emocionaram os presentes. O evento aconteceu no Teatro Oromar Moreira do Centro de Convenções da Associação Médica de Minas Gerais.

No elenco, a soprano Fernanda Ohara, vencedora do 1º Concurso Jovens Solistas da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais; o tenor Flávio Leite, do Rio Grande do Sul; e o barítono Eduardo Ribeiro, professor da Escola de Música da UFMG. O conjunto de percussão é formado por seis alunos da Música, de diversos períodos.

Share
« anteriorpróximo »