Congresso de prevenção do suicídio é na próxima semana

Publicado em Agenda
20 de junho de 2007

Evento acontece de 28 a 30 de junho, no Grandarrel Minas Hotel

Especialistas de várias áreas e originários de 16 países do mundo se reúnem em Belo Horizonte, entre os dias 28 e 30 de junho , no Grandarrel Minas Hotel, para o II Congresso de Suicidologia.

Promovido em conjunto pela Associação de Suicidologia da América Latina e Caribe (Asulac), Departamento de Saúde Mental da Faculdade de Medicina da UFMG (SAM), Programa de pós-graduação em Farmacologia e Bioquímica Molecular (PGFar) do Instituto de Ciências Biológicas da UFMG e pela Associação Mineira de Psiquiatria (AMP), o tema deste ano será “Compreender para prevenir”.

A mensagem principal que o professor Humberto Corrêa, chefe do SAM e presidente do Congresso, quer passar é que o suicídio pode ser evitado a partir da informação e da mudança do acesso e da forma de tratamento das doenças mentais. “É preciso que toda a sociedade trabalhe para que os tabus e estigmas que cercam esse tema sejam eliminados”, receita. 

Segundo o professor, as mídias de massa, de forma geral, são poderosos instrumentos de educação da população e poderiam contribuir para auxiliar a prevenção do suicídio, que é um problema de saúde pública. Mas profissionais de saúde, médicos clínicos gerais, familiares, educadores e vários outros setores da sociedade podem contribuir na prevenção de novos ‘sobreviventes’, como são conhecidas as pessoas próximas a quem realiza suicídio. Veja também: Publicações da OMS 

Tabu ou problema de saúde pública?

Desde quando o homem começou a sofrer é provável que o suicídio faça parte dos fenômenos complexos que preocupam a raça humana. Há relatos nas culturas egípcia – no terceiro milênio antes de Cristo, asteca, hindu, grega e romana, e até no antigo testamento.

Segundo o Ministério da Saúde (MS), no Brasil, embora a taxa de mortalidade por suicídios, de 4,5/100.00 habitantes, seja considerada baixa, existem estados e municípios que apresentam taxas duas vezes superiores à média nacional, como, por exemplo, o estado do Rio Grande do Sul (9,8/100.000), onde, em determinadas faixas etárias, as taxas chegam a 30,2/100.000. Em números absolutos, no cenário mundial estamos entre os dez com mais alto número de suicídios no mundo.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, aproximadamente 1 milhão de pessoas morreram vitimadas pelo suicídio no ano 2000, o que resulta em taxa global de 16 por 100 mil, uma morte a cada 40 segundos. Nos últimos 45 anos as taxas de suicidio aumentaram 60% em todo o mundo.

O suicídio é agora uma das três causas mais freqüentes de morte entre homens e mulheres entre 15 e 44 anos. Tradicionalmente as taxas de suicídio eram maiores entre homens idosos. No entanto, as taxas entre pessoas jovens têm aumentado a ponto deste grupo ser o de mais elevado risco, em um terço dos países.

As desordens mentais (particularmente depressão e abuso de substâncias químicas), estão associadas a mais de 90% de todos os casos de suicide, entretanto o suicide resulta de vários fatores socioculturais complexos e é mais provável ocorrer particularmente durante períodos de crise da família ou individuais, como por exemplo, a perda de um amor, do emprego, “da honra”.

Mais números 

  • Em 2003, as mortes por suicídio, em termos globais, giraram em torno de 900 mil pessoas.
  • Na faixa etária entre 15 e 35 anos, o suicídio está entre as três maiores causas de morte.
  • Nos últimos 45 anos, a mortalidade global por suicídio vem migrando em participação percentual do grupo dos mais idosos para o de indivíduos mais jovens (15 a 45 anos).
  • Em indivíduos entre 15 e 44 anos, o suicídio é a sexta causa de incapacitação.
  • Para cada suicídio há, em média, 5 ou 6 pessoas próximas ao falecido que sofrem conseqüências emocionais, sociais e econômicas.
  • 1,4% do ônus global ocasionado por doenças no ano 2002 foi devido a tentativas de suicídio, e estima-se que chegará a 2,4% em 2020.

Fonte: Ministério da Saúde. Manual dirigido a profissionais das equipes de saúde mental Imprensa e Prevenção
 

Inscrições e outras informações no site do congresso.

Assessoria de Comunicação Social da Faculdade de Medicina da UFMG
Redação: Marcus Vinicius dos Santos – Jornalista
(31) 3248 9651 – divulga@medicina.ufmg.br

Assessoria de Comunicação Social da Faculdade de Medicina da UFMG
jornalismo@medicina.ufmg.br




Share