Acesso interno

Exames de imagem têm papel estratégico no diagnóstico e monitoramento da covid-19

Professora explica quando tomografia, ultrassonografia e raio-x do tórax devem ser feitos e os cuidados para a realização dos exames


30 de novembro de 2020 - , , , ,


Além dos exames moleculares e sorológicos, que identificam a presença do coronavírus ou de anticorpos, os exames de imagem também podem ser usados nos casos de covid-19. Mas a recomendação não é que sejam feitos em todos os casos: de acordo com manual do Ministério da Saúde, esses exames devem ser realizados em casos mais graves, como acometimento do trato respiratório inferior e suspeita de pneumonia. Apesar de ajudarem a identificar a doença, devido à alta sensibilidade, as alterações nesses exames não são o suficiente para fechar o diagnóstico da covid-19. Quem explica é a professora do Departamento de Anatomia e Imagem e docente do curso de Tecnologia em Radiologia da Faculdade de Medicina da UFMG, Crissia Paiva Fontainha:

Por isso, é preciso levar em conta as informações clínico-epidemiológicas, como sintomas, contato com algum infectado ou a sazonalidade de outras doenças. Além disso, o resultado positivo do RT-PCR ou dos exames sorológicos já dão o primeiro diagnóstico para a doença. Nesses casos, a tomografia computadorizada exerce um papel de confirmação, mas tem uma indicação específica para cada caso. A professora detalha quando os exames de imagem devem ser realizados:

Quando os exames de imagem são indicados?
Em pacientes assintomáticos não são indicados
Em casos com sintomas leves:
01 - Se apresentar em testes sorológicos ou moleculares resultado positivo, a realização dos exames de imagem deve levar em conta os fatores de risco para a progressão da doença e a evolução do quadro respiratório.
02 - Se o paciente não tiver acesso a exames laboratoriais mas tiver alta probabilidade de ter a covid-19 segundo análise pré-teste, os exames de imagem devem ser feitos, desde que haja risco de progressão da doença.
Em casos moderados e graves, podem ser indicados.
Fonte: Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem
Para acessar o material completo, clique aqui.

Mas por que os exames não feitos em todos os casos suspeitos? A professora Críssia esclarece que “todo procedimento da área da saúde precisa ser respaldado por protocolos para justificativa daquela prática (inclusive da radiologia). Quando intervenções são realizadas sem utilidade, é o que chamamos de futilidade terapêutica, já que há desperdício de recursos (insumos, medicamentos, profissionais), além de expor o paciente a um procedimento desnecessário que não lhe trará benefício”.

Mas qual exame deve ser feito?

Os exames de imagem que podem ser utilizados nos casos de covid-19 são: a tomografia computadorizada do tórax – que possui maior sensibilidade a alterações e é feito pela passagem do paciente por uma espécie de túnel repleto de aparelhos de raio-x que fazem imagens de vários ângulos, que são enviadas para o computador e se juntam em imagens bi ou tridimensionais;  o raio-x do tórax – uma espécie de “foto” capaz de identificar alterações por meio de diferenças na coloração –; e a ultrassonografia pulmonar – que utiliza ondas sonoras para captar imagens. Mas os exames são feitos em casos diferentes, como descreve a professora:

Indicações dos exames:
Tomografia computadorizada do tórax: pode ser realizada em pacientes com piora dos sintomas ou suspeitas de complicações. Não deve ser usada em rastreamento da doença, mas em pacientes hospitalizados sintomáticos com radiografias normais ou achados indeterminados. O uso de contraste endovenoso não é indicado.
Radiografias e ultrassonografia do tórax: podem ser utilizadas em casos de pacientes acamados ou sem condições de realização da tomografia computadorizada.
Fonte: Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem

Essas indicações não levam em conta somente a sensibilidade do exame, mas o estado do paciente, o risco de contaminação das salas de espera e de realização dos procedimentos e até a disponibilidade de vagas.

Para evitar que o vírus se espalhe, também foram preconizados cuidados que devem ser tomados na realização dos exames:

O que deve ser observado?

De acordo com guia do Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem, achados radiográficos são geralmente não aparecem na fase inicial da covid-19. Conforme a doença se desenvolve, é possível identificar alterações, como opacidade, lesões pulmonares e fibrose. Mas, por mais que já seja possível identificar alterações relacionadas à covid-19, isso ainda não foi quantificado. A professora ressalta que pesquisas nesse sentido ainda estão sendo desenvolvidas:

Para saber mais:
> Uso de exames de imagem de tórax na covid-19 (OMS)
> Aspectos clínicos e terapêuticos da infecção da covid-19 (Fiocruz)
> Recommendations for the use of Chest Radiography and Computed Tomography (CT) for Suspected covid019 infection (ACR)
> Cartilha de orientações de prevenção à covid-19 (Conter)

Aspas Sonoras

As “Aspas Sonoras”, produção do Centro de Comunicação Social da Faculdade de Medicina da UFMG, ampliam a discussão sobre os temas abordados nas séries de rádio realizadas pelo Saúde com Ciência. As matérias apresentam áudios e textos inéditos do material apurado na produção das séries.