Acesso interno

Hospital das Clínicas da UFMG é pioneiro em programa de residência em cardiointensivismo


30 de janeiro de 2020 - , , ,


Foto: Paulo Assad.

O Hospital das Clínicas da UFMG/Ebserh é o primeiro hospital do Brasil a oferecer residência em cardiointensivismo, que une tópicos de cardiologia e medicina intensiva em uma única matriz. Trata-se de um treinamento adicional, com duração de 1 ano, ao Programa de Residência em Cardiologia, já oferecido pela instituição. O processo seletivo, que conta com uma vaga dentro do PSU Complementar, realizado pela Associação de Apoio à Residência Médica (Aremg), está previsto para acontecer em fevereiro. O início das atividades deve ocorrer em março.

Unidades de tratamento intensivo recebem pacientes agudamente enfermos, incluindo portadores de cardiopatias. Até 2015, somente especialistas em Medicina intensiva podiam exercer a função de responsável técnico ou chefe de UTI. Uma resolução do Conselho Federal de Medicina (Resolução nº 2.135/15), porém, também autorizou médicos especialistas em cardiologia a responderem tecnicamente ou chefiar unidades coronarianas, unidades de pós-operatório de cirurgia cardíaca ou unidades de urgências cardiovasculares.

A Associação de Medicina Intensiva Brasileira (AMIB) e a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), por entenderem haver um núcleo específico de interação entre ambas especialidades no que concerne ao tratamento intensivo de doenças cardiovasculares, e sabendo da importância da capacitação contínua desses profissionais, resolveram instituir uma matriz curricular unindo as duas especialidades.  Em novembro do ano passado, então, a Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM), ligada ao Ministério da Educação, aprovou o ano adicional em cardiointensivismo ao Programa de Residência em Cardiologia.

Matriz curricular

Alguns tópicos importantes de atuação da área presentes na nova residência e que a diferem da especialização em Medicina Intensiva são: dominar o implante e manejo do paciente com balão intra-aórtico e oxigenação por membrana extra-corpórea (ECMO), incluindo em transporte e outros cenários; dominar o cuidado ao paciente com assistência circulatória; valorizar a comunicação com o paciente, familiares e a equipe de saúde; valorizar os cuidados paliativos na doença cardiovascular crítica; dominar o manejo da síndrome coronária aguda, insuficiência cardíaca e das afecções da aorta; dominar do manejo do paciente em pós-operatório de cirurgia  cardiovascular, transplante cardíaco, cirurgia minimamente invasiva e terapia valvar por cateter; dentre outros.

O programa será conduzido pelo professor e cardiologista Gabriel Assis Lopes do Carmo, juntamente com os cardiologistas Luiz Guilherme Passaglia e Marco Paulo Tomáz Barbosa. “Esse novo programa vai ajudar a cobrir uma lacuna existente nas UTI’s em todo o país. E para o Hospital das Clínicas, ser o primeiro a oferecer a especialização coloca-o em um outro patamar, ao lado de outros grandes hospitais universitários e centros de tratamento cardiológico”, disse Gabriel.


Com assessoria de comunicação do Hospital das Clínicas da UFMG