Você está convidado a preencher o formulário do projeto Imagem da Semana sobre o uso de redes sociais como ferramenta de ensino médico.
Pedimos que preencha os dados aqui com seriedade, a fim de melhorar nosso serviço e a estruturação do projeto. Garantimos o sigilo de todos os participantes do questionário, sua identificação não será necessária.

Anterior

Caso 341


Clique sobre as imagens acima para aumentar

Paciente do sexo masculino, 52 anos de idade, procura atendimento ambulatorial especializado queixando-se de “manchas claras” em região da face, de caráter progressivo, com aumento do tamanho das lesões, há cerca de 2 meses. Nega comorbidades. Ao exame físico, evidenciam-se manchas hipocrômicas, por vezes róseas, de tamanhos variados na face e mancha hipocrômica associada a leucotriquia na região axilar, não observada previamente pelo paciente. As lesões não apresentam descamação ou alteração de sensibilidade.

Com base na história clínica e nas imagens apresentadas, qual o diagnóstico mais provável?

a) Ptiríase versicolor

25%

b) Vitiligo

25%

c) Dermatite seborreica

25%

d) Hanseníase indeterminada

25%
   

Diagnóstico

O vitiligo é uma dermatose assintomática caracterizada por máculas acrômicas, geralmente bilaterais e simétricas demarcadas por área de pele normal circundante, sem sinais flogísticos ou prurido. Possui predileção pela face, áreas periorificiais, genitálias e mãos.
A pitiríase versicolor é uma ceratofitose provocada por leveduras do gênero Malassezia sp, mais comum em adolescentes e adultos jovens. É assintomática na maioria dos casos, mas pode evoluir com prurido, sobretudo após exposição solar. As máculas geralmente são hipocrômicas e descamativas, todavia, podem ser hipercrômicas ou eritematosas, como o nome “versicolor” indica. A lesão apresenta descamação furfurácea ao fazer o estiramento da pele (sinal de Zileri). O diagnóstico pode ser confirmado pelo exame micológico direto.
A dermatite seborreica é uma dermatite crônica de caráter constitucional, caracterizada por placas ou pápulas eritêmato-descamativas, bem delimitadas, por vezes com escamas de aspecto gorduroso, graxento. Distribuem-se em áreas seborreicas, como o couro cabeludo, face – sulco nasolabial, asas do nariz, supercílios, glabela e região paranasal – região pré-esternal e intervertebral superior.
A hanseníase indeterminada é uma dermatose infectocontagiosa, endêmica no Brasil, causada pelo Mycobacterium leprae, mais frequente em adultos. Caracteriza-se por máculas hipocrômicas ou eritemato-hipocrômicas com hipoestesia, podendo acometer qualquer área corporal. O diagnóstico é eminentemente clínico, complementado pelo teste de sensibilidade e o exame anátomo-patológico.

Discussão do caso

O vitiligo é um distúrbio de pigmentação caracterizado pelo desenvolvimento de máculas hipocrômicas/acrômicas bem definidas, decorrentes da perda de melanócitos epidérmicos. É a causa mais frequente de despigmentação de pele, presente em 0,1 a 2% na população. Possui pico de incidência entre a 2ª e 3ª década de vida, sem predileção de gênero ou etnia.
A etiologia do vitiligo é desconhecida e há a hipótese de que seja autoimune. Tese ainda mais sugestiva ao observarmos que há associação com várias doenças autoimunes, como com diabetes mellitus tipo 1, psoríase, anemia perniciosa, alopécia areata, artrite reumatoide e lúpus eritematoso sistêmico.
Clinicamente, caracteriza-se por máculas acrômicas, assintomáticas, que não apresentam sinais clínicos de inflamação. Acometem qualquer região do corpo, mas tem predileção pela face, áreas periorificiais, genitálias e mãos. Variam em relação ao tamanho e apresentam bordas bem delimitadas, circundadas por pele normal. O curso clínico da doença é imprevisível, porém, na maioria dos casos, a extensão e distribuição modificam-se ao longo dos anos, por meio do aparecimento de novas lesões e/ou expansão centrífuga de máculas atuais.
O diagnóstico é eminentemente clínico e o exame com a luz de Wood realça as lesões e auxilia na diferenciação de máculas hipocrômicas e acrômicas. A biópsia de pele não é rotineiramente necessária para o diagnóstico mas, quando realizada, revela perda completa de pigmento de melanina na epiderme e ausência de melanócitos, com linfócitos ocasionais na borda das lesões.
Os objetivos do tratamento incluem a estabilização da atividade da doença e a repigmentação de máculas acrômicas, por meio de fototerapia e corticosteroides (imunomoduladores) tópicos. Os corticoides orais geralmente são utilizados em casos mais graves e rapidamente progressivos. A resposta aos tratamentos é lenta e pode ser altamente variável, de acordo com o fototipo do paciente e da região do corpo afetada.

Aspectos relevantes

- O vitiligo caracteriza-se por máculas acrômicas e assintomáticas, sem sinais clínicos de inflamação;
- Acomete igualmente ambos os sexos e qualquer idade com pico na 2ª e a 3ª década de vida;
- Sua etiologia é desconhecida, embora haja associação com doenças autoimunes;
- O diagnóstico é clínico e a luz de Wood é utilizada para diferenciação de máculas hipocrômicas e acrômicas;
- Fototerapia e imunomoduladores são usados objetivando estabilização da atividade da doença e a repigmentação de máculas acrômicas.

Referências

Azulay RD, Azulay DR. Dermatologia. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2015.

Roh MR, Oh SH. Acquired hypopigmentation disorders other than vitiligo [internet]. UpToDate; 2018. [Acesso em: 15 out. 2018]. Disponível em: https://www.uptodate.com/contents/acquired-hypopigmentation-disorders-other-than-vitiligo

Grimes Pe. Vitiligo: Pathogenesis, clinical features, and diagnosis [internet]. UpToDate; 2017. [Acesso em: 15 out. 2018]. Disponível em: https://www.uptodate.com/contents/vitiligo-pathogenesis-clinical-features-and-diagnosis

Grimes Pe. Vitiligo: Management and prognosis [internet]. UpToDate; 2017. [Acesso em: 15 out. 2018]. Disponível em: https://www.uptodate.com/contents/vitiligo-management-and-prognosis

Responsáveis

Daniela Tereza Gonçalves Manso, acadêmica do 9º período de Medicina da UFMG
Email: danimanso.dm@gmail.com

Giovanni Oliveira Carvalho, acadêmico do 9º período de Medicina da UFMG
Email: gocarvalho91@gmail.com

Agradecimento:

Renan Bernardes, residente do 2º ano de dermatologia, pelo auxílio na seleção das fotografias.

Orientador

Dra. Vanessa Barreto Rocha, dermatologista, professora convidada da Disciplina de Dermatologia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais.
Email: vanessabarreto@oi.com.br

Revisores

Rafael Valério, Gabriel Santos, Vinícius Avelar, Elaine Iwayama

Questão de prova

(Seleção Unificada para Residência Médica do Estado do Ceará – SURCE 2015) Paciente comparece para avaliação de manchas brancas na pele. Não há dor, prurido ou qualquer outro sintoma. Você observa lesões hipopigmentadas na região superior do tórax (figura 1). Essas lesões assumem um aspecto descamativo após tração da pele local pelo examinador (figura 2). Qual o diagnóstico mais provável?

 

 

a) Vitiligo

25%

b) Tínea corporis

25%

c) Líquen simples crônico

25%

d) Ptiríase versicolor

25%

e)

25%
   

Comentários

Sem comentários.

Adicionar Comentário

(não será publicado)
 
Notifique-me de novos comentários via email.
 
Bookmark and Share

Siga o Imagem:      Twitter  |    Facebook  |    Informativo semanal  |    E-mail