Você está convidado a preencher o formulário do projeto Imagem da Semana sobre o uso de redes sociais como ferramenta de ensino médico.
Pedimos que preencha os dados aqui com seriedade, a fim de melhorar nosso serviço e a estruturação do projeto. Garantimos o sigilo de todos os participantes do questionário, sua identificação não será necessária.

Anterior

Caso 203

Próximo


Clique sobre as imagens acima para aumentar

Paciente do sexo feminino, 19 anos, natural e procedente de Belo Horizonte, procurou atendimento médico devido a sensação de queimação na região cervical ao deglutir há duas semanas, relacionada à ingestão alimentar. Negava disfagia, vômitos, febre, emagrecimento, comorbidades ou cirurgias prévias. Há 2 meses fez uso de amoxicilina para tratamento de amigdalite bacteriana. Exame físico sem alterações. Solicitada endoscopia digestiva alta (EDA).

Analisando a imagem e a história clínica da paciente, o diagnóstico mais provável é:

a) Esofagite por cândida

25%

b) Esofagite por citomegalovírus

25%

c) Esofagite por herpes simples

25%

d) Esofagite de refluxo

25%
   

Análise da Imagem

 

Imagem 1: Endoscopia digestiva alta, evidenciando o esôfago com grumos brancacentos algodonosos aderidos à mucosa (setas azuis), que, uma vez removidos, mostram uma base hiperemiada.

Diagnóstico

As esofagites infecciosas – exemplificadas na imagem 2 – manifestam-se por odinofagia e disfagia, podendo estar associado a náuseas, vômitos e dor retroesternal, não sendo possível distinguir sua etiologia pela clínica. São mais comuns em pacientes imunocomprometidos, mas ocasionalmente também podem acometer indivíduos imunocompetentes.

A esofagite por cândida é a principal causa de esofagite infecciosa. O achado mais comum à EDA é a presença de placas branco-amareladas distribuídas na mucosa dos dois terços inferiores do esôfago. Tais características se assemelham aos achados do exame no caso apresentado, sendo esse, portanto, o diagnóstico correto.

A principal forma de apresentação endoscópica das infecções esofágicas causadas pelo citomegalovírus (CMV) corresponde a lesões ulceradas, de tamanhos variados, únicas ou múltiplas, ocupando preferencialmente o terço médio e distal do esôfago.

Na esofagite herpética, a infecção é resultado da contaminação primária da orofaringe ou pela reativação do vírus herpes-simples já existente no indivíduo. A apresentação endoscópica clássica é a presença de pequenas lesões purpúreas ou vesiculares, que evoluem para pequenas úlceras superficiais com fundo enantematoso e halo de hiperemia.

A esofagite de refluxo, por sua vez, é uma manifestação da Doença do Refluxo Gastroesofágico (DRGE), causada pela ação corrosiva do ácido gástrico na mucosa esofagiana. Os sintomas típicos são pirose e regurgitação. Achados endoscópicos comuns são erosões, eritema, friabilidade e edema de mucosa, sendo a biópsia necessária para o diagnóstico definitivo.

 

Imagem 2: Causas de esofagite. A: esofagite por Candida. B: esofagite por herpesvírus simples. C: esofagite por CMV. [Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4027832/] D: Esofagite discreta de terço distal. [Disponível em: http://www.gdromonline.com.br/aprendendo.php?pagina=aprendendo&es1_cod=323&pagin=12] 

Discussão

A esofagite por cândida, também chamada monilíase esofágica, possui como patógeno predominante a Candida albicans, podendo também ser isoladas outras espécies, com menor frequência.

Trata-se de um fungo saprófita que pode compor a microbiotanormal do tubo digestivo em pequeno número e tornar-se infeccioso em pacientes com desequilíbrio da microbiota ou fatores de risco.

O principal fator predisponente são as alterações na imunidade celular, sendo mais comum nos indivíduos imunocomprometidos. Casos de candidíase esofágica em indivíduos imunocompetentes são pouco descritos, mas podem ocorrer dependendo de fatores exógenos - como o uso de antimicrobianos e corticosteroides, alcoolismo, quimio ou radioterapia - ou do próprio hospedeiro - em neonatos, idosos,pacientes com doenças crônicas ou neoplasias.

O paciente pode não apresentar sintomas ou apresentá-los de maneira leve e intermitente. Disfagia e odinofagia são os principais, podendo ocorrer ainda dor retroesternal, náuseas e vômitos.

A EDA comcoleta de material por biópsia ou escovado é o padrão-ouro para o diagnóstico definitivo. O aspecto endoscópico pode envolver desde enantema discreto até acometimento difuso e intenso da mucosa, a qual estará recoberta por placas branco-amareladas, coalescentes, formando uma pseudo-membrana. Essa descrição corresponde ao achado mais comum, na maioria das vezes localizado nos terços inferiores do esôfago. As placas de fungos são caracteristicamente aderidas à mucosa, podendo ocorrer sangramento discreto no local quando escovadas. Casos de candidíase invasiva com acometimento transmural são raros e graves.

Pacientes com comprometimento discreto da função de neutrófilos e linfócitos podem ser tratados com agentes antifúngicos tópicos, como a nistatina em solução oral, que não tem absorção sistêmica, atuando localmente no trato digestivo. Os pacientes com imunodepressão devem ser tratados com antifúngicos sistêmicos, como o cetoconazol ou o fluconazol. A anfotericina B deve ser restrita a casos graves de esofagite sistêmica, com febre, neutropenia importante ou tratamento refratário aos outros agentes antifúngicos.

Aspectos Relevantes

- A esofagite por Cândida é a principal causa de esofagite infecciosa, sendo a Candida albicans o patógeno mais comum.

- É mais prevalente em indivíduos imunocomprometidos, mas pode acometer indivíduos imunocompetentes.

- Os sintomas mais comuns são disfagia e odinofagia, podendo ocorrer dor retroesternal, náuseas e vômitos.

- Fatores predisponentes: uso de antimicrobianos, corticosteroides, idade avançada, doenças crônicas, neoplasias.

- O aspecto endoscópico característico é a presença de placas branco-amareladas aderidas ao terço distal do esôfago.

- O tratamento deve ser feito com nistatina em pacientes imunocompetentes e com fluconazol em pacientes imunocomprometidos.

Referências

- Vieira WLS, Brito EM. Candidíase Esofágica no Paciente Imunocompetente. In: Rocha PRS, Coelho LGV, Moretzsohn LD, Passos MCF, editores. Tópicos em Gastroenterologia 16: Afecções Menos Freqüentes em Gastroenterologia. Medbook; 2007. p. 29-36.

- Bittencourt PFS, Moreira EF, Albuquerque W. Comprometimento do Esôfago por Infecções, Radiação e Agentes Químicos. In: Dani R, Passos MCF, editores. Gastroenterologia Essencial. Guanabara Koogan; 2011. p. 118-126.

- Bittencourt MFM, Alves JS. Infecções e lesões cáusticas do esôfago (não-AIDS). In: Castro LP, Coelho LGV, editores. GastroenterologiaMedsi. Volume 1. Guanabara Koogan; 2004. p. 705-720.

- Rosołowski M, Kierzkiewicz M. Etiology, diagnosis and treatment of infectious esophagitis. Przegla̜dGastroenterologiczny. [Internet]. 2013. [Acesso em junho/2015]; 8(6):333-337. Disponível em:<http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4027832/>

- Longo DL, Fauci AS, Kasper DL. Medicina Interna de Harrison. 18. ed. Porto Alegre: Artmed; 2013.

Responsável

Raíra Cesar e Cezar, acadêmica do 9º período de Medicina da FM-UFMG

E-mail: rairacezar[arroba]gmail.com

Orientadora

Profa. Maria do Carmo Friche Passos, gastroenterologista, professora do Departamento de Clínica Médica da FM-UFMG

E-mail: mcpassos[arroba]medicina.ufmg.br 

Revisores

Débora Faria, Fabio Satake, Luísa Bernardino, Caroline dos Reis e Profa. Viviane Parisotto.

Comentários (1)

Marcos Lima
Caso clínico bem elaborado. Acredito que faltou um fator importante a ser abordado no caso. Apesar de a causa principal para a moniliase esofágica descrita no caso ser o uso recente de antibióticos deve-se deixar bem claro que a moniliase esofágica trata-se de Leia mais
Admin:
Prezado Marcos Lima, agradecemos por acessar o site do Imagem da Semana e pela participação! Atenciosamente, Equipe Imagem da Semana.
29/09/2015 17:51
Página 1 de 1

Adicionar Comentário

(não será publicado)
 
Notifique-me de novos comentários via email.
 
Bookmark and Share

Siga o Imagem:      Twitter  |    Facebook  |    Informativo semanal  |    E-mail