Acesso interno

Novos aparelhos do Labsim aprimoram ensino


15 de abril de 2019


Novo manequim do Labsim simula um bebê nascido prematuro. Foto: Carol Morena.

Com a aquisição de novos equipamentos, o Laboratório de Simulação (Labsim) da Faculdade de Medicina da UFMG expande seu potencial de ensino e amplia as possibilidades de simulações de atendimentos e casos clínicos pelos alunos. O espaço, que já contava com alguns dispositivos, funciona desde dezembro do ano passado com o novo arsenal e vem capacitando docentes, monitores e funcionários para o uso de todos os modelos.

Localizado no 6º andar da Instituição, o laboratório foi criado para desenvolver ações que envolvam a simulação em saúde, em computadores e manequins. Os novos equipamentos incluem manequins de gestante e de ausculta, simulador de ultrassonografia à beira de leito, audiômetros, impedanciômentros e cabines acústicas. “Os equipamentos adquiridos permitem que o ensino seja ampliado e o Labsim seja mais amplamente utilizado”, avalia a professora e coordenadora do Labsim, Maria do Carmo Barros de Melo.

De acordo com ela, os aparelhos possibilitam que o estudante tenha uma experiência mais completa de como será a realidade profissional, uma vez que permite simular atendimentos e casos clínicos. Com isso, na avaliação da professora, os alunos adquirem maior aptidão para realizar disgnósticos de maneira eficiente, além de entenderem como proceder diante de algumas situações clínicas.

Manequim permite a simulação de parto. Foto: Carol Morena

Qualidade

Para a professora Rosália Morais, coordenadora do Programa Avas-21, que visa a inserção da tecnologia no ensino, a chegada desses novos equipamentos confirma o compromisso da Faculdade de Medicina com a qualidade da formação de seus alunos. “A aquisição consolida a posição da Faculdade de Medicina da UFMG como instituição que busca práticas de ensino modernas e comprovadamente eficientes para treinamento de seus alunos e profissionais”, comenta.

Expansão

A aquisição do arsenal amplia também as possibilidades de uso do espaço. A professora Luciana Macedo, chefe do Departamento de Fonoaudiologia da Faculdade, conta que o laboratório está passando por reformas, o que irá possibilitar maior integração do espaço com os alunos de Fonoaudiologia. “A proposta é que o Labsim passe a incorporar atividades do curso de Fonoaudiologia, principalmente as da área de audição”, esclarece.

A professora explica que a utilização conjunta do Labsim é importante para a interação entre os alunos de Fonoaudiologia e Medicina. “Assim, os futuros fonoaudiólogos poderão compreender, por exemplo, a melhor forma de solicitar exames e interpretar dos resultados obtidos”, exemplifica.

O boneco Harvey permite escutar os ruídos internos do organismo. Foto: Carol Morena.

Confira alguns dos novos equipamentos e como eles ajudam na formação do estudantes:

Harvey

O Harvey é um manequim avançado de ausculta, ou seja, para escutar os ruídos internos do organismo. O modelo também possibilita a elaboração de casos completos envolvendo os sistemas cardiovascular e respiratório e permite a simulação de vários casos clínicos. É possível alterar a pressão arterial, pulsos, sons cardíacos, sopros e sons respiratórios. Vários países do mundo utilizam este manequim para o ensino.

No Brasil, poucas universidades adquiriram este manequim. O Harvey é portátil e pode ser usado em qualquer ambiente no qual um paciente possa ser examinado.

Manequins de gestante

Os manequins permitem a simulação de parto, na qual os graduandos aprendem a tomar decisões assertivas. No manequim, a barriga de gestante pode ser retirada. Dessa forma, o equipamento pode ser usado como um paciente adulto simulado. A tomada de decisão rápida pode garantir a sobrevida da parturiente e do recém-nascido e para tal o aluno pode adquirir experiência por meio de capacitações por estes manequins e equipamentos.

Simulador de ultrassonografia à beira do leito

Esse simulador permite a capacitação dos estudantes do curso de Medicina para utilizar o ultrassom em atividades corriqueiras, quando indicado, em pacientes admitidos em pronto atendimento e enfermarias. É um equipamento que requer conhecimento e habilidades visuais, espaciais e psicomotores complexas. O equipamento disponibiliza casos clínicos, os quais os docentes podem utilizar como base para a discussão sobre o diagnóstico e a abordagem do paciente.

Impedanciômetro

O impedanciômetro permite a avaliação do ouvido médio, bem como diferenciar o motivo da perda auditiva do paciente.

Cabine acústica e Audiômetro

Para fazer o exame de audiometria são utilizados a cabine acústica e o audiômetro. O paciente se posiciona dentro da cabine enquanto o profissional utiliza o audiômetro, que é capaz de identificar o tipo e o grau de perda auditiva a partir de exercícios de diferentes frequências sonoras e de reconhecimento de fala.

Kemar

O Kemar é um manequim de alta fidelidade, que simula as propriedades do ouvido humano. Esse aparelho permite que os alunos façam simulações de regulagem de aparelhos auditivos, medição do nível de pressão sonora de fones de ouvido e mensurações da orelha.