Acesso interno

Saiba o que o estresse pode fazer com o seu coração


27 de setembro de 2019 - , , , , ,


*Guilherme Gurgel

De acordo com a Organização Pan-Americana da Saúde, as doenças cardiovasculares são a principal causa de morte no mundo. A Organização ainda afirma que a maioria dessas doenças pode ser prevenida por meio da abordagem de fatores comportamentais de risco. Um desses fatores é o estresse. Cada vez mais presente na sociedade moderna, ele está relacionado ao desenvolvimento de resfriado, atraso na cicatrização de feridas ou mesmo transtornos mentais graves. E também é um fator de risco para as doenças do coração.

No Brasil, as jornadas longas e sobrecarga no trabalho são apontados como motivos para que esteja no segundo lugar entre os países mais estressados do mundo, segundo levantamento da Associação Internacional de Controle do Stress e da Tensão. Então, pensando no Dia Mundial do Coração, convidamos o cardiologista e professor do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da UFMG, Gabriel Assis Lopes do Carmo, para debater como a condição de estresse afeta o funcionamento do coração e conhecer formas de controle.

Há um costume de falar sobre estresse como algo corriqueiro. Mas o que realmente significa estar estressado?

Gabriel Assis Lopes: Não há uma única definição para o estresse. Na literatura são encontrados dois tipos. O primeiro é aquele que impacta na vida do indivíduo de forma negativa, trazendo ansiedade e preocupação excessiva sobre algum problema. Pode estar relacionado a situações do trabalho, vida pessoal ou família, por exemplo.

O outro é o estresse positivo, que leva até a uma melhora na produtividade. Por exemplo, se uma pessoa precisa melhorar a produção, um tipo de estresse leve, como estipular um prazo, faz com que tenha uma tendência a trabalhar com mais velocidade.

Então o estresse nem sempre é algo negativo?

Até certo ponto é algo fisiológico. Se em uma situação de estresse não tiver uma produção de hormônios, como adrenalina e corticoide, a pessoa não consegue reagir. Não seria possível correr de uma situação de perigo, por exemplo.

Como identificar que o estresse é um problema?

Normalmente, existe uma série de perguntas que podem ajudar na identificação de níveis preocupantes de estresse. Falar ou comer muito rápido e a sensação de estar desacelerando são alguns exemplos de sinais de alto estresse.

O que acontece no organismo nas situações de estresse?

Existem inúmeros sinais no corpo. A pessoa pode ter aumento ou diminuição do apetite, sudorese, alteração no sono. Também pode desenvolver um quadro de ansiedade. Nas fases mais avançadas do estresse, que pode ser classificada como burnout, a pessoa já não consegue realizar suas atividades adequadamente. No coração, ainda existe uma aceleração dos batimentos cardíacos, o que pode levar ao aumento da pressão.

Os altos níveis de estresse podem causar quais problemas para o coração?

A aceleração dos batimentos cardíacos, causada pelos hormônios, pode levar ao aumento da pressão. A pressão alta, por sua vez, tem impacto no coração, como o maior risco de infarto e AVC.

Também pode acontecer de a pessoa procurar alguma saída para diminuir o estresse, como o cigarro. Assim, a longo prazo, surgem problemas cardiovasculares secundários à ativação dessas condições. Por isso, o tratamento envolve reduzir o estresse e tratar a hipertensão ou o tabagismo, por exemplo.

Para pessoas que tem outros fatores de risco para as doenças cardiovasculares, como os idosos, o efeito agudo dos hormônios no coração pode levar a arritmia ou parada cardíaca. Quando se fala em “morrer de susto”, apesar de serem casos raros, pode acontecer.

Essa associação do coração com o estado emocional está muito presente no imaginário popular. Como se dá essa relação?

A alteração dos batimentos cardíacos em situação de estresse emocional está ligada à produção de hormônios no organismo, principalmente a adrenalina. Essa resposta faz parte de uma série de alterações no organismo diante de uma emoção muito grande, que prepara o indivíduo para fugir ou lutar, conhecida como reação fight or flight.

Em uma sociedade com um estilo de vida cada vez mais acelerado, há formas efetivas de combater o estresse e proteger o coração?

Vejo que há um esforço muito maior do que antigamente para tentar combater esse estilo de vida. Mas, não existe opção de tratamento do estresse por medicação. Ela só resolve um problema pontual.

De modo geral, o recomendável para reduzir o estresse são os hábitos saudáveis: praticar atividade física; manter atitude positiva; não ingerir bebidas alcoólicas; não fumar e ter uma dieta saudável. Quando possível, é importante tentar correlacionar a profissão com algo que possa dar prazer. Na sociedade atual, é muito difícil controlar o estresse, mas acredito que as pessoas nunca estiveram tão preocupadas com isso quanto estão hoje.

*Guilherme Gurgel: estagiário de jornalismo
Edição: Deborah Castro