Acesso interno

Problemas cardiovasculares causam impacto para a saúde pública no Brasil

No país, cerca de 300 mil mortes por ano são por doenças relacionadas ao coração.


21 de dezembro de 2018 -


Mais de 300 mil brasileiros morrem por ano em decorrência das doenças do coração

*Marcos Paulo Rodrigues

Cerca de 17,5 milhões de pessoas morrem vítimas de doenças cardiovasculares por ano em todo o mundo, segundo dados da Organização Mundial da Saúde. Somente no Brasil, as doenças relacionadas aos problemas do coração correspondem a cerca de 300 mil mortes por ano. Os problemas cardiovasculares compreendem as doenças do coração e da circulação.

As doenças do sistema circulatório podem ocorrer de várias formas, como a aterosclerose, que pode ter o AVC como uma das

Foto: Carol Morena

manifestações, doenças periféricas, intestinais, dentre outras. Já dentro do coração, existem as doenças relacionadas aos vasos e depósito de gordura nas paredes do vaso, além de doenças das válvulas, insuficiências cardíacas e arritmias, por exemplo. “Dentre essas, as mais relevantes são as doenças relacionadas ao depósito de gordura, que é a aterosclerose, que leva ao infarto agudo do miocárdio, na maioria das vezes, e a insuficiência cardíaca que é a principal causa de internação das doenças cardiovasculares no Brasil”, explica o cardiologista e professor da Faculdade de Medicina da UFMG, Gabriel Carmo.

No contexto da saúde pública, os problemas cardiovasculares têm grande impacto, já que são a principal causa de óbito no Brasil, com a principal causa sendo o Acidente Vascular Cerebral. “É a principal causa de internação do Brasil, como a insuficiência cardíaca, do ponto de vista de saúde pública tem uma relevância muito grande, pois é a principal causa de óbito e a principal causa das internações, esclarece o professor.

Prevenção

Para o surgimento dos problemas do coração, alguns hábitos e fatores de risco se destacam. Nas doenças dos vasos do coração, existem fatores de risco clássicos, principais e secundários. Segundo o professor, dentre os fatores mais importantes estão diabetes, hipertensão, colesterol, tabagismo e histórico familiar. “Se algum parente de primeiro grau teve esse tipo de doença em idade precoce, ou seja, menos de 55 anos para homens e 65 anos para mulher, o indivíduo tem o risco aumentado para a ocorrência de eventos cardiovasculares”, afirma. O controle dos fatores de risco e o abandono de hábitos nocivos, como o tabagismo, são fundamentais para a manutenção da boa saúde.

Sintomas

Os sintomas dos problemas relacionados ao coração são bastante distintos, mas algumas manifestações se destacam. Segundo Gabriel Carmo, uma das manifestações muito significativas da aterosclerose no coração seria dor no peito. Insuficiência respiratória, cansaço e falta de ar também podem estar relacionados. “Esses são os principais sintomas. Claro que têm outros de acordo com o grupo de doenças, por exemplo, nas arritmias é muito comum o paciente dizer que tem sentido as palpitações ou o que eles chamam de batedeira no peito”, explana o cardiologista.

Sobre o programa de rádio

Saúde com Ciência é produzido pelo Centro de Comunicação Social da Faculdade de Medicina da UFMG e tem a proposta de informar e tirar dúvidas da população sobre temas da saúde. Ouça na Rádio UFMG Educativa (104,5 FM) de segunda a sexta-feira, às 5h, 8h e 18h.

O programa também é veiculado em outras 187 emissoras de rádio, distribuídas por todas as macrorregiões de Minas Gerais e nos seguintes estados: Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe, Tocantins e Massachusetts, nos Estados Unidos.

Também é possível ouvir o programa pelo serviço de streaming Spotify.

 

*Marcos Paulo Rodrigues– estagiário de Jornalismo

Edição: Maria Dulce Miranda