Stock Car ameaça vidas de animais, alerta parlamentar em visita ao Hospital Veterinário

Comissão de Educação da ALMG apura danos ao funcionamento da unidade, que fica a 50 metros do circuito em construção


27 de maio de 2024 -


A vice-diretora (de branco), Eliane Gonçalves, e o diretor da Escola de Veterinária, Afonso de Liguori, expuseram os impactos das obras de recapeamento sobre a rotina da unidade para a deputada Beatriz Cerqueira (de vermelho)
A vice-diretora (de branco), Eliane Gonçalves, e o diretor da Escola de Veterinária, Afonso de Liguori, expuseram os impactos das obras de recapeamento sobre a rotina da unidade para a deputada Beatriz Cerqueira (de vermelho)
Foto: Vitória Brunini | UFMG

A Comissão de Educação, Ciência e Tecnologia da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) deve reforçar a recomendação para que a Prefeitura de Belo Horizonte e os empreendedores da Stock Car alterem o local da corrida automobilística, prevista para ocorrer em agosto nos arredores do campus Pampulha. A afirmação foi feita pela  deputada Beatriz Cerqueira (PT), presidente da comissão, durante visita técnica às instalações da Escola de Veterinária e do Hospital Veterinário da UFMG nesta sexta-feira, 24 de maio.

Acompanhadas de técnicos da ALMG, a parlamentar e uma representante do mandato da deputada Bella Gonçalves (PSOL) visitaram a recepção, a área de triagem, as salas de atendimento clínico, o bloco cirúrgico e o centro de internação de pequenos animais do hospital, entre outras instalações, além das baias onde ficam os animais residentes da Escola de Veterinária, como equinos, bovinos e caprinos. A visita abrangeu, ainda, os laboratórios de aquacultura e de avaliação da qualidade do leite. 

O grupo também acompanhou o andamento das obras de recapeamento nas imediações da Unidade, que ocasionaram alterações de trânsito na região, dificuldades de acesso à Escola e ao Hospital e prejuízos ao bem-estar da comunidade, em razão do barulho e da poeira gerados.   

“Não estamos falando de um pet shop, de uma clínica, estamos falando de um complexo hospitalar que presta serviços à sociedade, inclusive para tutores que não têm condições de recorrer à iniciativa privada. A vida desses animais depende do Hospital Veterinário e, portanto, os prejuízos são irreparáveis. Eu vi a distância de onde passarão os carros da Stock Car até a UTI de atendimento veterinário. É muito grave”, declarou Cerqueira. A deputada prometeu encaminhar o relatório técnico da visita aos patrocinadores da corrida, para que eles tenham ciência de que estão colocando a vida de animais em risco.

Elevados níveis de ruído emitidos pela prova ameaçam o bem-estar dos animais residentes no Hospital Veterinário que dão suporte às atividades de ensino e pesquisa
Elevados níveis de ruído emitidos pela prova ameaçam o bem-estar dos animais que dão suporte às atividades de ensino e pesquisa do Hospital Veterinário
Foto: Guilherme Bergamini | ALMG

O diretor da Escola de Veterinária, Afonso de Liguori, que conduziu a visita ao lado da vice-diretora Eliane Gonçalves de Melo, informou que, durante os 19 dias previstos para montagem da estrutura e realização da etapa da Stock Car, em Belo Horizonte, as cirurgias e internações do Hospital Veterinário devem ser suspensas. Isso ocorrerá devido à elevada carga de estresse provocada nos animais pelo ruído emitido pelos veículos da competição, estimado em mais de 100 decibéis. “A travessia de uma rua é a distância entre o local onde os carros estarão correndo e o hospital”, disse Liguori. “Se fecharmos por 19 dias, vamos deixar de atender cerca de 3 mil cães e gatos e 20 equinos”, informou Gonçalves.

Pacientes e alunos prejudicados
O médico veterinário Rodrigo Valadares, que no momento da visita cumpria escala de atendimento nos consultórios do hospital, destacou que muitos pacientes precisam de assistência continuada, necessidade que será prejudicada com a prova. “O animal com glaucoma, depois da alta, precisa de acompanhamento, de medição da pressão ocular, para avaliarmos se o tratamento está sendo efetivo. Temos pacientes com doenças cardiológicas, neurológicas e oncológicas”, exemplificou.

Ao mostrar as baias onde ficam os animais residentes, a professora Renata Maranhão lembrou que “os alunos aprendem a fazer exames clínicos nos animais”. As atividades de ensino também serão afetadas pela Stock Car, já que os animais deverão ser transferidos do local durante a competição.

Bloco cirúrgico do Hospital Veterinário
Bloco cirúrgico do Hospital Veterinário: cirurgias deverão ser suspensas caso a prova seja realizada
Foto: Guilherme Bergamini | ALMG

Esta foi a segunda visita técnica da Comissão de Educação, Ciência e Tecnologia da ALMG ao campus Pampulha para avaliar os impactos da Stock Car na Universidade. No dia 21 de março, deputadas da comissão estiveram no Biotério Central e recomendaram a mudança do local da corrida no relatório elaborado após a visita. Ao fim da visita de hoje, a deputada Beatriz Cerqueira anunciou que a Comissão pretende dar sequência às diligências técnicas: Estação Ecológica, Faculdade de Odontologia e o complexo esportivo da UFMG – formado pelo Centro Esportivo Universitário (CEU) e pelo Centro de Treinamento Esportivo (CTE) – também deverão ser visitados pela comissão parlamentar. 

O Hospital Veterinário da UFMG também recebeu visita técnica do vereador Bruno Pedralva (PT), no dia 30 de abril. Em audiência pública realizada na Câmara Municipal de Belo Horizonte, no dia 8 de maio, a diretoria da Escola de Veterinária chamou a atenção também para danos a equipamentos dos laboratórios da unidade. 


Alessandra Ribeiro – Cedecom