Acesso interno

Conheça filmes que promovem reflexões sobre a saúde

Filmes como “Coringa”, “Uma mente brilhante” e “Medianeras” trazem para as telonas debates sobre saúde


06 de janeiro de 2020 - , , , , , , ,


*Giovana Maldini

Férias é sinônimo de descanso, e uma ótima forma de lazer para aproveitar o período é a sétima arte. Além de garantir entretenimento, o cinema também contribui com reflexões sobre diferentes temas. Os filmes “Coringa”, “Uma Mente Brilhante” e “Medianeras”, por exemplo, trazem para o debate assuntos como a importância da promoção da saúde mental e prevenção de sofrimentos psíquicos.

Para o professor do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da UFMG, Leonardo Cruz, apesar de promoverem reflexões importantes sobre saúde, os longas não são verossímeis. Por isso, não representam toda a realidade da doença.

“Quando há um cuidado na discussão, sem dúvida alguma convida à reflexão do espectador. Mas o público e a crítica devem tomar um distanciamento, no sentido de entender que aquele personagem não representa a doença em sua totalidade. O filme não representa todo o drama que é a vida dessas pessoas, dessas famílias”, afirma Leonardo Cruz. 

O Saúde com Ciência preparou uma programação especial para esse início das férias. Pegue a pipoca e venha conhecer os principais filmes que debatem a saúde no “Saúde com Cinema”.

Em cartaz:

Sucesso de bilheteria em 2019, o filme “Coringa” retrata a vida de Arthur Fleck, um palhaço que trabalha em uma agência de talentos. A partir da abordagem histórica do personagem, o longa mostra como Arthur Fleck se torna um dos vilões mais famosos do cinema e propõe reflexões sobre a saúde mental, principalmente em como a sociedade colabora para a marginalização desses pacientes.

Apesar de o filme não deixar claro qual o diagnóstico do protagonista, mostra como as pessoas ao seu redor lidam com ele. Assim, além de despertar a curiosidade do público para conhecer mais sobre o personagem, o longa é uma excelente forma de refletir sobre as formas de lidar com o outro e em como a sociedade molda quem somos. 

Para saber mais, confira na sessão “Coringa e a saúde mental” do Saúde com Cinema aqui.

Outro filme que tem como principal temática a saúde mental é “Uma Mente Brilhante”. O longa retrata a vida do matemático John Nash, que ganhou o prêmio Nobel em 1994. A genialidade do protagonista é atravessada por questões enfrentadas por ele, como o diagnóstico de esquizofrenia. O filme mostra como o personagem lida com o transtorno, além de retratar como a sociedade enxerga o distúrbio.

A narrativa é uma mistura de drama e romance e uma ótima opção para assistir nas férias. Confira mais na sessão do “Uma Mente Brilhante” e a esquizofrenia” no Saúde com Cinema.

Como forma de alertar, principalmente o público jovem, sobre distúrbios alimentares, o filme “O Mínimo Para Viver “ retrata a vida de uma adolescente que sofre com anorexia. Ao longo da narrativa, o apoio de amigos e familiares para a superação do distúrbio é ressaltado. Muitas vezes, ao se depararem com um paciente anoréxico, as pessoas mais próximas não sabem como lidar com a situação. Essa dificuldade é evidenciada em várias cenas desse filme. O longa também serve de alerta para o cuidado excessivo com o corpo e as consequências que isso pode trazer para a saúde.

“O Mínimo Para Viver “ é uma ótima opção para entreter e, ao mesmo tempo, trazer a reflexão para o público jovem sobre o problema. Saiba mais sobre como esse filme promove esse debate.

Um dos transtornos psíquicos mais conhecidos pela população é a depressão. Esse sofrimento mental é retratado no filme “Medianeras”, que aborda a saúde mental a partir do viés urbano. Isso porque as mudanças na paisagem e na rotina acelerada do dia a dia são alguns dos fatores que predispõem às doenças psíquicas.

Esse filme tem a função de promover reflexões sobre o cuidado com a mente, além de auxiliar na quebra dos tabus relacionados à depressão. Para aqueles que gostam de filmes de romance, “Medianeras” é uma excelente opção. 

Ouça aqui como a depressão se relaciona com questões urbanas no filme “Medianeiras”.

Procurando Dory (2016)

Quem pensa que saúde não é abordada em filmes infantis, está enganado! A protagonista do filme “Procurando Dory”, por exemplo, se esquece recorrentemente de acontecimentos recentes. De maneira descontraída, a animação mostra que, mesmo com esse impasse, Dory consegue lidar com o problema e superar os obstáculos que encontra em sua jornada. Para que a personagem consiga alcançar seus objetivos, o filme também mostra a importância do apoio familiar na solução dos problemas.

”Procurando Dory” é uma excelente opção para entreter os pequenos nas férias e iniciar uma conversa com eles sobre superação de problemas e saúde mental.

Saiba mais na sessão “Divertidamente e Procurando Dory: formação psíquica da criança” do Saúde com Cinema.  

Divertidamente (2015)

A saúde mental também é abordada no enredo de “Divertidamente”. A narrativa dessa animação é construída a partir da vivência e crescimento da personagem Riley. Ao longo do filme, as emoções da personagem são retratadas por meio de personagens fictícios, sendo que cada um deles representa e expressa um sentimento: alegria, tristeza, raiva, medo e nojo.

Essa forma de retratar os sentimentos auxilia as crianças a nomearem e identificarem suas emoções. Ainda mais que, nessa fase inicial da vida, é confuso tanto para os pequenos quanto para os pais reconhecerem os sentimentos dos filhos.

Colorida e divertida, a animação prende a atenção dos pequenos e é uma ótima opção para assistir nas férias. 

Para saber mais como o enredo do filme ajuda a meninada a expressar emoções, confira a sessão “Divertidamente e Procurando Dory : formação psíquica da criança” do Saúde com Cinema.  

Sobre o Programa de Rádio

Saúde com Ciência é produzido pelo Centro de Comunicação Social da Faculdade de Medicina da UFMG e tem a proposta de informar e tirar dúvidas da população sobre temas da saúde. Ouça na Rádio UFMG Educativa (104,5 FM) de segunda a sexta-feira, às 5h, 8h e 18h. Também é possível ouvir o programa pelo serviço de streaming Spotify


*Giovana Maldini – estagiária de Jornalismo 
Edição: Karla Scarmigliat