Acesso interno

Coronavírus, H1N1 ou dengue?

Os sintomas dessas doenças se confundem, como febre, dor de
cabeça e dor no corpo. Vacinação contra gripe iniciou nesta
segunda-feira, 23 de março.


23 de março de 2020 - , , , , ,


No mesmo momento em que o mundo volta os esforços para a contenção da pandemia do novo coronavírus, a transmissão da gripe H1N1 e da dengue também preocupam. Isso porque o momento também é propício para a disseminação dessas doenças.

A questão é que todas essas enfermidades podem apresentar sintomas muito parecidos como febre, tosse, coriza, dor de cabeça e de garganta.

Por isso, professor e infectologista do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da UFMG, Matheus Westin, explica quais são os sintomas e o que fazer em caso de suspeita de algumas dessas doenças.

Sobre a H1N1, o especialista esclarece:

Devido a pandemia do novo coronavírus, o Ministério da Saúde antecipou a campanha contra a Gripe (H1N1, H3N2 e influenza B), que iniciou nessa segunda-feira, 23 de março. Nesta primeira etapa, a vacinação será em idosos e profissionais de saúde.

O professor explica a importância de imunizar a população mais vulnerável para a H1N1 neste momento:

Antes de ir se vacinar, é importante buscar orientações sobre a maneira como essa imunização será disponibilizada. Algumas cidades irão oferecer ‘drive-thru’ para vacinação e a disponibilizará em outros locais para evitar aglomeração de pessoas nos postos de saúde.

Vacinação
A segunda fase da campanha começa em 16 de abril para doentes crônicos, professores, profissionais das forças de segurança e salvamento. De 9 a 23 de maio, serão vacinadas as crianças de seis meses a menores de seis anos, pessoas com mais de 55 anos, gestantes, mães no pós-parto (até 45 dias após o parto), população indígena e portadores de condições especiais.

Dengue

Além da H1N1, a dengue também é uma doença que preocupa neste momento. O Brasil registrou mais de 300 mil casos da doença somente nas primeiras dez semanas de 2020, de acordo com dados do Ministério da Saúde.

Westin explica que a intensidade das chuvas em boa parte do país torna o cenário ideal para a proliferação do mosquito vetor da doença.

Segundo o professor, alguns sintomas da dengue também podem ser
confundidos com o novo coronavírus:

De acordo com o professor Matheus Westin, uma pessoa pode ter
dengue e o novo coronavírus ao mesmo tempo:

O especialista passa algumas orientações em caso de suspeita de
dengue ou quando não é possível distingui-la do novo coronavírus:


Para evitar a proliferação do mosquito Aedes Aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunha, não deixe água acumulada em vasos de plantas, pneus, garrafas plásticas e, até mesmo, em recipientes pequenos como tampas de garrafas. Piscinas sem uso e sem manutenção também podem se tornar criadouro do mosquito.