Acesso interno

Faculdade de Medicina tem 21 cientistas entre os mais produtivos e influentes na América Latina

UFMG ocupa a quinta posição na América Latina e está entre as oito melhores dos países do Brics, segundo o AD Scientific Index.


05 de outubro de 2021 -


A Faculdade de Medicina da UFMG tem 21 professores entre os 10 mil mais produtivos e influentes da América Latina, segundo o AD Scientific Index 2021.

A UFMG aparece na quinta posição da região, com 345 cientistas entre os 10 mil primeiros, e está entre as oito universidades mais bem classificadas dos países do Brics (bloco que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), com 150 pesquisadores.

A vice-diretora da Faculdade de Medicina, professora Alamanda Kfoury, credita o sucesso ao histórico de excelência em pesquisa na unidade e da constante formação de novos pesquisadores. “Em seus 110 anos, a Faculdade de Medicina sempre exerceu liderança acadêmica pela qualidade e relevância do conhecimento gerado aqui e compartilhado com a sociedade”, ressalta.

Os professores da Faculdade são:

Antonio Luiz Pinho Ribeiro
Sandhi Barreto
Paulo Caramelli
Fernando Reis
Maria Isabel Toulson
Ana Simões e Silva
Leandro Malloy
Lúcio Honório de Carvalho Junior
Marco Aurélio Romano
Eduardo Araujo Oliveira
Andy Petroianu
Leonardo Cruz de Souza
Mariângela Leal Cherchiglia
Maria da Consolação Vieira Moreira
Jorge Andrade Pinto
Débora Marques de Miranda
Teresa Ferrari
Luiz Gonzaga Vaz Coelho
Helenice Gobbi
Maira Tonidandel Barbosa
Selmo Geber (in memoriam)

Em entrevista para o site da UFMG, o pró-reitor de Pesquisa da UFMG, professor Mario Montenegro Campos, disse que  as posições de destaque ocupadas pela UFMG neste levantamento independente demonstram a “alta qualidade, a relevância e o impacto da produção científica da Universidade nos contextos de um bloco econômico importante com participação do Brasil e do continente latino-americano”.

Método

A organização independente AD Scientific mede, por meio da combinação de diferentes índices e bancos de dados, o desempenho de produção dos cientistas e o impacto de seus estudos nos respectivos campos de pesquisa. As informações compiladas para o ranking refletem tanto a performance dos últimos cinco anos quanto a de toda a carreira.

Os rankings da AD utilizam nove parâmetros e consideram 12 grandes áreas do conhecimento (com 256 divisões). Para a mais recente edição do levantamento, foram coletados dados de 708.703 pesquisadores de 11.940 instituições localizadas em 195 países, que são agrupados em 11 regiões do globo.

O AD Scientific Index combina indicadores como os do h-index, que considera número de citações recebidas pelas publicações, e do i10, que contabiliza os artigos com 10 ou mais citações, tomando como fonte, nesses dois casos, o Google Acadêmico, plataforma amplamente utilizada para pesquisa de literatura acadêmica.


Com informações do Centro de Comunicação da UFMG