Acesso interno

Tuberculose: epidemia que atravessa os séculos pode fazer ainda mais vítimas

Descontinuidade do tratamento, que dura cerca de seis meses, é um dos principais motivos de óbitos pela doença


23 de fevereiro de 2021 - , ,


A doença não é nova e já foi um dos maiores temores da humanidade.  Mas se engana quem pensa que a tuberculose ficou no passado: a enfermidade continua presente e até março de 2020 era considerada a doença infecciosa com maior número de mortes diárias em todo mundo, sendo sobreposta pela covid-19. Apesar dos avanços científicos, que possibilitaram tratamentos medicamentosos eficazes e gratuitos pelo Sistema Único de Saúde (SUS), a continuidade do tratamento ainda é um desafio, seja pelo seu tempo prolongando, estigma sobre a doença ou, mais recentemente, pela sobrecarga dos sistemas de saúde devido à pandemia.

Programa de rádio Saúde com Ciência esclarece mais sobre essa doença, formas de contágio, grupos mais vulneráveis, sintomas, diagnóstico e tratamento. Confira!

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), estimativa é que 10 milhões de pessoas adoeçam com a tuberculose por ano. No Brasil, são registrados anualmente cerca de 4,5 mil mortes pela doença, sendo um dos principais motivos para o óbito a descontinuidade do tratamento. E com a pandemia, esse cenário pode se agravar.

Estudo publicado na revista The Lancet indica que as mortes por tuberculose podem aumentar em 20% por cento nos próximos cinco anos em países de baixa e média renda com alto ônus dessas doenças por causa da interrupção de tratamentos e serviços de saúde causada pela pandemia de covid-19.

Fora o fator pandemia, que pode prejudicar o acesso ao tratamento, o tempo prolongado até a cura contribui para a interrupção dos medicamentos antibióticos, que devem ser administrados por, no mínimo, seis meses. De acordo com o Ministério da Saúde, de cada 10 pessoas que iniciam o tratamento, pela menos uma abandona o uso dos medicamentos.

 “O tratamento realmente é longo e, nos primeiros meses, as pessoas já começam a melhorar e, com isso, elas pensam que estão curadas e param de tomar os remédios”,

explica a professora do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina e coordenadora do Ambulatório de Tuberculose do Hospital das Clínicas da UFMG, Silvana Spíndola de Miranda.

Apesar de haver uma melhora nos sintomas já nas primeiras semanas, a cura só é garantida ao final do tratamento. “O problema de não tomar os medicamentos por um período adequado é a recidiva, ou seja, voltar a ter a tuberculose. Por isso, o tempo do tratamento é longo: além de tratar, evita o retorno da doença”, alerta a professora. Além disso, o abandono do tratamento pode ocasionar o aparecimento de bactérias mais resistentes aos medicamentos e pode levar à morte.

Preconceito

Além do período prolongado de tratamento, que leva a descontinuidade dessa terapêutica, o preconceito é outra barreira para a cura. Na análise do integrante da Comissão de Tuberculose da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT) e professor de Pneumologia da Universidade Federal de Goiás, Marcelo Rabahi, esse é um problema da época em que não havia medicamentos eficazes e os pacientes eram tratados em sanatórios.

“Esses lugares ficavam afastados das cidades e em montanhas, porque se acreditava que nessas regiões haveria menos oxigênio e, com isso, o bacilo não sobreviveria. Mas, efetivamente, o que fazia com que as pessoas melhorassem era o repouso e receberem boa alimentação. Algumas evoluíam com cura espontânea sem medicação. A partir dessa segregação, há um receio muito grande de que quem tem tuberculose vai passar para todo mundo, que a doença é altamente contagiosa e que não se pode nem olhar para a pessoa que já está contaminada. E isso foi ficando arraigado na população em geral e, também, entre os profissionais de saúde”, explana.

Para o professor, é preciso difundir informações para acabar com o preconceito. “A informação sobre tuberculose, hoje, nas faculdades de Medicina, de Enfermagem, para a população em geral é muito tímida. Se a gente for avaliar o nível de discussão que existe para outras doenças, eu acho que temos muito trabalho a fazer com a tuberculose. E é importante que esse trabalho seja feito de forma continuada”, acredita.

Tratamento Diretamente Observado

O tratamento para a tuberculose é feito via oral e ofertado gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS), mais especificamente na atenção primária à saúde.

“Hoje, o Ministério da Saúde recomenda que as ações de controle da tuberculose – principalmente o tratamento do paciente com tuberculose pulmonar – ocorram na atenção primária à saúde. De forma que a atenção primária é a coordenadora do cuidado e vai ofertar o Tratamento Diretamente Observado, acompanhar a ingestão de medicamentos e, consequentemente, melhorando o vínculo do profissional de saúde com o paciente, melhorando a adesão ao tratamento. Vai fazer a oferta também dos contatos intradomiciliares”, detalha a enfermeira e mestre em Infectologia e Medicina Tropical da UFMG, Juliana Veiga Costa Rabelo.

Em sua dissertação, Juliana observou que quanto mais perto da casa do paciente for feito o acompanhamento, maior é a adesão ao tratamento. “Isso ocorre pelo fato do acesso. Seja na questão da acessibilidade e do transporte, quanto na questão de conseguir a consulta mais rapidamente”, afirma.

O Tratamento Diretamente Observado (TDO) é a principal ação de apoio e monitoramento do tratamento das pessoas com tuberculose e se baseia na atuação comprometida e humanizada dos profissionais de saúde. A pessoa deve ser orientada sobre as características da doença e do tratamento a que será submetida, sobre o uso dos medicamentos, duração e regime de tratamento, benefícios do uso regular dos medicamentos, possíveis consequências do uso irregular dos mesmos e eventos adversos.

Sobre o programa de rádio

O Saúde com Ciência é produzido pelo Centro de Comunicação Social da Faculdade de Medicina da UFMG e tem a proposta de informar e tirar dúvidas da população sobre temas da saúde. Ouça na Rádio UFMG Educativa (104,5 FM) de segunda a sexta-feira, às 5h, 8h e 18h. Também é possível ouvir o programa pelo serviço de streaming Spotify