Acesso interno

UFMG Educativa destaca pesquisas desenvolvidas por mulheres

Pelo terceiro ano, os episódios de março do programa ‘Aqui tem ciência’ focalizam estudos com recorte de gênero. Quarto episódio aborda dissertação desenvolvida no Programa de Pós-graduação em Medicina Molecular da UFMG.


07 de março de 2022 - , , , , , ,


Durante o mês de março, os quatro episódios do Aqui tem ciência, programa da Rádio UFMG Educativa que divulga teses e dissertações defendidas na UFMG, serão dedicados a pesquisas sobre mulheres e feitas por mulheres. A série especial, que vai ao ar a partir de segunda-feira, 7 de março, é produzida pela jornalista Alicianne Gonçalves.

A transmissão da violência doméstica entre gerações de uma mesma família e a trajetória de vitimização entre mulheres são tema do primeiro dos quatro episódios especiais. A pesquisa foi desenvolvida por Angélica Pereira dos Santos, em seu mestrado no Programa de Pós-graduação em Sociologia da UFMG. 

Angélica Pereira dos Santos estudou a transmissão da violência doméstica entre gerações de uma mesma família.
Angélica Pereira estudou a transmissão da violência doméstica entre gerações de uma mesma família (Acervo pessoal)

O segundo episódio, que será veiculado no dia 14 de março, vai abordar uma pesquisa sobre os fatores de risco para o desenvolvimento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNTs) entre mulheres beneficiárias do Programa Bolsa Família. É a tese de doutorado de Quéren Hapuque de Carvalho, desenvolvida no Programa de Pós-graduação em Enfermagem da UFMG.

No terceiro programa da série, em 21 de março, serão focalizadas as relações entre organizações religiosas e trabalhadoras sexuais da região da Rua Guaicurus, em Belo Horizonte. O trabalho de doutorado de Clara Luisa Oliveira Silva foi defendido no Centro de Pós-graduação e Pesquisas em Administração da UFMG.

No quarto e último episódio da série, no dia 28 de março, o tema será a dissertação de Kyze Lino Quintela, desenvolvida no Programa de Pós-graduação em Medicina Molecular da UFMG. Ela avaliou sintomas ansiosos em mulheres gestantes e puérperas com Transtorno Depressivo Maior. 

Aqui tem ciência destaca estudos desenvolvidos na UFMG em todas as áreas do conhecimento. A cada semana, a equipe da emissora apresenta resultados de trabalho de uma pesquisadora ou um pesquisador da Universidade. O programa fica disponível em aplicativos de podcast como o Spotify e vai ao ar na frequência 104,5 FM ou pelo site da Rádio, às segundas, às 11h, com reprises às quartas, às 14h30, e às sextas, às 20h.

Séries anteriores

Ouça os episódios especiais veiculados em março de 2021 e março de 2020. Com recorte de gênero, os programas também destacaram pesquisas feitas por mestras e doutoras pela UFMG:

2021
Episódio 56 – Discriminação de gênero na contabilidade
Episódio 57 – Como é a rotina de enfermeiras obstétricas?
Episódio 58 – Pesquisa problematiza visão capacitista do Direito sobre a mulher com deficiência
Episódio 59 – Professoras negras de língua inglesa têm legitimidade questionada
Episódio 60 – Por que meninas evitam as aulas de educação física?

2020
Episódio 30 – Mulheres no tráfico de drogas: vítimas ou culpadas?
Episódio 31 – Como é ser reitora em uma universidade?
Episódio 32 – A vida de mães de crianças com Zika vírus
Episódio 33 – Como as mulheres aparecem na capa da Revista TPM?
Episódio 34 – Como o gênero influencia nossas decisões sobre o transporte?


(Centro de Comunicação da UFMG)