Acesso interno

Uso de remédios sem prescrição pode causar reações alérgicas, dependência e até morte

Medicamentos estão entre as principais causas de intoxicação no país. Superdosagem é uma das causas


11 de Maio de 2020 - , , , , ,


A intoxicação por medicamentos pode causar sudorese, diarreia, vômito, tontura, palpitação, mudança de comportamento, sedação e até a morte. Entre as principais causas da intoxicação medicamentosa é possível apontar a ingestão de remédios sem indicação do médico, a chamada automedicação. No mês em que é celebrado o Dia Nacional do Uso Racional de Medicamentos, o Saúde com Ciência reapresenta série sobre o tema.

De acordo com a coordenadora do Centro de Estudos do Medicamento (Cemed) do Departamento de Farmácia Social da Faculdade de Farmácia da UFMG, Cristiane Menezes, a automedicação ocorre devido ao desejo do alívio imediato da dor. “Há também a questão do acesso ao medicamento nas drogarias e farmácias privadas e alguns medicamentos que podem ser comprados sem receita. A Organização Mundial da Saúde (OMS) reconhece que a automedicação responsável ocorre quando a pessoa adquire produtos que são considerados seguros para o consumo. Então, se a pessoa achar que está com sintomas menores, ela vai procurar esses medicamentos para realizar o autocuidado”, explica.

Estudos acadêmicos apontam que 35% dos fármacos são adquiridos por automedicação. Os analgésicos e os antipiréticos, para alívio de dor e febre, são os mais procurados. Os antiinflamatórios e os antibióticos também estão nessa lista. Além de mascarar os sintomas, a automedicação também pode causar outros prejuízos. “Grande parte das hospitalizações está relacionada ao uso inadequado do medicamento. Isso acarreta muitos problemas, entre eles está a questão do custo. A gente também sabe que as intoxicações por medicamentos ocupam o primeiro lugar no ranking de intoxicações no país, ao lado das causadas por agrotóxicos, e isso pode levar ao quadro mais grave, que são os óbitos”, destaca a professora.

Vício

Tema é apresentado no programa Saúde com Ciência dessa semana. Ouça.

O medo constante relacionado a problemas de saúde e o vício de medicamentos podem ser hipocondria. O principal sintoma do transtorno é a preocupação em desenvolver uma doença grave. O psiquiatra e professor do Departamento de Saúde Mental da Faculdade de Medicina da UFMG, Frederico Garcia, esclarece que a hipocondria poder ser tanto uma doença como um sintoma de outra enfermidade. “É a preocupação excessiva com a saúde, uma introspecção contínua de que tem alguma coisa errada. Essa dúvida de que a pessoa está sendo acometida por alguma doença”, aponta.

“Existe também o que a gente chama de sintoma hipocondríaco. Uma pessoa depressiva pode apresentar delírios hipocondríacos. Uma convicção absoluta de que tem uma doença grave, de que não tem saída nem tem como resolver seus problemas”, acrescenta.

Pessoas hipocondríacas geralmente ficam insatisfeitas com os diagnósticos médicos e passam a realizar autodiagnósticos e a consumir medicamentos por conta própria. “No fundo, essas pessoas precisam ser escutadas, entendidas e, algumas vezes, diagnosticadas por terem algum transtorno de ansiedade, que vai ser tratado com medicação e terapia, ou uma depressão intensa e vai ser recomendado o uso de antidepressivos”, alerta o professor.

Programação da semana

A automedicação e o excesso de medicamentos são os temas dessa semana do Saúde com Ciência. Confira os temas:

:: O que é automedicação
:: Causas e consequências da automedicação
:: Consumo e venda de medicamentos
:: Tarjas dos medicamentos e reações adversas
:: Hipocondria e vício em medicamentos

Sobre o Programa de Rádio

Saúde com Ciência é produzido pelo Centro de Comunicação Social da Faculdade de Medicina da UFMG e tem a proposta de informar e tirar dúvidas da população sobre temas da saúde. Ouça na Rádio UFMG Educativa (104,5 FM) de segunda a sexta-feira, às 5h, 8h e 18h. Também é possível ouvir o programa pelo serviço de streaming Spotify.

Automedicação e pandemia

O tema também foi abordado pelo spot “Tudo o que você precisa saber sobre o coronavírus”

Dúvidas sobre quais medicamentos podem ser ingeridos em caso de suspeitas de coronavírus e a eficácia da cloroquina e hidroxicloroquina no combate à covid-19 foram respondidas pelo infectologista e professor do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da UFMG, Unaí Tupinambás, na série de spots “Tudo o que você precisa saber sobre o coronavírus”. Clique aqui e ouça.