Acesso interno

Cannabis: saiba mais sobre o uso medicinal da planta

Especialistas ampliam o debate sobre o uso medicinal da planta em áudios inéditos. Conheça as “Aspas Sonoras”, nova produção do Centro de Comunicação Social da Faculdade


15 de dezembro de 2016


Especialistas entrevistados no Saúde com Ciência aprofundam o debate sobre o uso medicinal da Cannabis

Bernardo Estillac*

As substâncias presentes na Cannabis mais aceitas em relação ao seu potencial terapêutico são o canabidiol (CBD) e o tetraidrocanabinol (THC). A aplicação desses princípios ativos causa efeitos distintos e, portanto, são utilizados em determinados contextos e tratamentos de diferentes doenças. Suas principais características podem ser conferidas no programa de terça-feira da série Cannabis: Uso Medicinal, produzida pelo Saúde com Ciência.

Médico especialista em Medicina Preventiva e Social pela UFMG e pesquisador da área de epidemiologia e promoção da saúde, Paulo Fleury afirma que qualquer apresentação de medicamentos à base de componentes da Cannabis não apresenta CBD ou THC isolados:

 

De acordo com Fleury, a indústria farmacêutica é agente importante na tentativa de estabelecer o conceito da importância de se isolar as substâncias da planta:

 

Pesquisas para o uso medicinal da planta são realizados no Laboratório de Neurofarmacologia da UFMG, sob supervisão do professor Fabrício Moreira. Foto: Carol Morena

Pesquisas que envolvem a planta são realizadas no Laboratório de Neurofarmacologia da UFMG, sob supervisão do professor Fabrício Moreira. Foto: Carol Morena

O organismo humano produz substâncias similares às presentes na Cannabis, conhecidas como endocanabinoides. Isso é destacado pelo professor do Departamento de Farmacologia do Instituto de Ciências Biológicas (ICB/UFMG) e pesquisador das substâncias canabinoides, Fabrício Moreira, no programa de segunda.

Moreira comenta a ideia de se produzir fármacos a partir dos endocanabinoides, ou mesmo estimular sua produção dentro do próprio cérebro, como forma de obter os resultados esperados sem os possíveis riscos associados ao uso da planta:

 

Potencial terapêutico da planta

Epilepsia, câncer, distúrbios referentes ao sono e à alimentação estão entre os tratamentos relacionados ao potencial terapêutico dos derivados da Cannabis. Mais detalhes nos programas de quarta e quinta.

Paulo Fleury acrescenta outras enfermidades que podem ter seu tratamento favorecido pelos derivados da planta:

 

Fabrício Moreira observa que esse tipo de medicamento pode ser uma opção para casos em que o tratamento convencional não age de forma efetiva, oferecendo uma terapia complementar:

 

Cannabis x Memória

A perda de memória é um dos efeitos negativos mais associados ao uso da planta. Mas e os endocanabinoides? Se nós produzimos substâncias similares no cérebro, qual é a real relação entre essas substâncias e nossa memória?

O professor Fabrício Moreira comenta, por fim, como as substâncias canabinoides atuam na memória e possíveis efeitos positivos na eliminação de recordações traumáticas, citando uma via de seus estudos laboratoriais:

 

Embora de utilização milenar, a Cannabis teve seu consumo proibido em boa parte do mundo a partir do início do século XX, por motivações políticas, econômicas, sociais. Assim, as pesquisas científicas para o uso medicinal das substâncias canabinoides ainda estão em fase de descoberta.

O uso terapêutico da planta, da mesma forma que outros métodos de tratamento médico, deve ser submetido a um criterioso processo que envolve áreas diversas do conhecimento científico. Portanto, essa terapia deve ser realizada com o acompanhamento profissional adequado.

ASPAS SONORAS

Aspas_SonorasAs “Aspas Sonoras”, nova produção do Centro de Comunicação Social da Faculdade de Medicina da UFMG, ampliam a discussão sobre os temas abordados nas séries realizadas pelo programa de rádio Saúde com Ciência. As matérias apresentam áudios e textos inéditos daquilo que foi apurado durante as produções.

A série “Cannabis: Uso Medicinal” foi ao ar entre os dias 6 e 10 de junho de 2016. Nela, foram tratados assuntos como o sistema endocanabinoide – componentes similares às propriedades da Cannabis Sativa que nosso organismo produz –, os principais compostos ativos da planta, a realidade atual do uso terapêutico de seus derivados no Brasil e o tratamento de doenças como o câncer e a epilepsia.

*Editado por Lucas Rodrigues