Acesso interno

Faculdade de Medicina integra rede internacional de pesquisa sobre o novo coronavírus

Instituição participa como centro colaborador dos estudos desenvolvidos pela rede Covid-19 Prevention Network (CoVPN), que inclui a fase 3 de vacinas contra o SARS-CoV-2


23 de julho de 2020 - , , , , ,


Covid-19 Prevention Network (CoVPN)

A Faculdade de Medicina da UFMG passou a integrar a rede Covid-19 Prevention Network (CoVPN), com o objetivo de dar respostas à pandemia causada pelo novo coronavírus. Apenas dois centro brasileiros foram selecionados para esse trabalho mundial. Junto a ela, também está o Instituto Nacional de Infectologia/Fiocruz.

A parceria da Faculdade se dá por meio do seu Grupo de Pesquisa em HIV/AIDS em Crianças, Adolescentes e Gestantes, coordenado pelo professor Titular Jorge Andrade Pinto, do Departamento de Pediatria. O professor ressalta que “essa é a principal rede global que conduzirá os estudos de fase 3 das vacinas candidatas para prevenção da infecção pelo SARS-CoV-2”.

“Protagonismo. É o que significa uma equipe de pesquisa da Faculdade se engajando na procura por uma resposta global para a questão do imenso impacto mundial e no tempo estratégico em que nos encontramos. É muito satisfatório termos a capacidade de integrar uma rede internacional de ponta no caminho para sair da pandemia”

Jorge Andrade Pinto

Em busca de respostas sobre a covid-19

O primeiro estudo que a Faculdade de Medicina da UFMG participa como centro colaborador é o CoVPN 5001, um ensaio clínico que busca entender a infecção e a resposta imunológica ao SARS-CoV-2 em adultos. Para isso, contará com voluntários com apresentação clínica variável de infecção recente pelo SARS-CoV-2.

Vetores representando células de defesa e o novo coronavírus

“Serão recrutados participantes assintomáticos, com sintomas leves não hospitalizados e hospitalizados – eles podem se deslocar entre os grupos se os sintomas piorarem ao longo do estudo-. Serão 800 participantes em cerca de 60 centros de pesquisa localizados nos EUA, Brasil, Peru e África do Sul”, aponta Jorge Andrade Pinto.

Ao entender o curso clínico da infecção, principalmente no seu início, será possível sugerir potenciais marcadores de proteção que podem ser usados ​​na avaliação da eficácia de vacinas para a covid-19.  Por isso, o professor ressalta a importância desse primeiro estudo como base para os estudos de fase 3, previstos para iniciar na Faculdade de Medicina da UFMG em setembro deste ano. 

Quem compõe a rede

O Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos EUA (National Institute of Allergy and Infectious Diseases—NIAID), utilizando a expertise de suas redes de pesquisa existentes, foi responsável pela criação da nova rede CoVPN direcionada a estudos de vacinas e anticorpos monoclonais para combater o vírus SARS-CoV-2.

A CoVPN inclui a Rede de Ensaios de Vacinas contra o HIV (HVTN), o Consórcio de Pesquisa Clínica de Doenças Infecciosas (IDCRC) e a Rede de Ensaios de Prevenção do HIV (HPTN), reunindo capacidade de pesquisa global.

No grupo de Pesquisa da Faculdade de Medicina da UFMG, além do professor Jorge Pinto, estão os professores Flávia Ferreira, do Departamento de Pediatria; Helena Duani e Júlia Caporali, do Departamento de Clínica Médica; Mario Dias Correa e Patrícia Teixeira, do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia.

O professor Jorge acrescenta que o grupo é composto por uma equipe multidisciplinar de médicos, enfermeiros, farmacêuticos, epidemiologistas, biólogos, assistentes sociais e técnicos. E ainda conta com um atuante comitê comunitário, composto por representantes da sociedade civil.

Mais informações: https://coronaviruspreventionnetwork.org/.