Acesso interno

Napem promove mural de palavras amigas e exposição em programação de setembro amarelo


20 de setembro de 2021 - , , , ,


O Painel Palavra Amiga, onde as pessoas deixam recados otimistas e de esperança, esteve no hall da Faculdade de Medicina como parte da na programação de setembro amarelo em 2018 e 2019. Mas, neste ano, devido à pandemia, o Núcleo de Apoio Psicopedagógico aos Estudantes (Napem) e o projeto Ponto de Encontro deram a ele um novo formato. Agora o painel é online: medicina.ufmg.br/palavraamiga. Todos podem participar escrevendo mensagens positivas, que ficarão disponíveis no site de forma anônima. Outra mudança é que desta vez haverá uma comissão que vai avaliar as mensagens antes da publicação.

“Compartilhar palavras de estímulo, de compaixão, de solidariedade pode amenizar a sensação de solidão. Não estamos sós. Apesar da distância física podemos conectar mentes e corações, podemos enviar energia positiva para as pessoas. Uma palavra, um pequeno gesto de amor e de empatia podem ajudar a mudar o rumo de nossas vidas”, afirma Maria Aparecida Miranda da Silva, psicóloga do Napem, professora convidada da disciplina Tutoria e uma das idealizadoras da ação. “No entanto, é importante ressaltar que, às vezes, isso não é suficiente, sendo necessário buscar ajuda especializada psicológica ou psiquiátrica. Para esse fim, temos uma rede de apoio ofertada tanto pelo SUS como pela UFMG, amplamente divulgada em nossos sites”, acrescenta.

Sobre a comissão, Maria Aparecida explica que o cuidado, o carinho e a responsabilidade são necessários quando há pessoas fragilizadas emocionalmente. Por isso, a comissão formada por ela, professor Luiz Sérgio Silva e pelos monitores Fernanda Rocha Chaves Moreira e Patrick Dias Albano Ramos, terá como premissa avaliar e aprovar as mensagens que estejam em sintonia com o objetivo proposto.

 “Ler uma palavra amiga, um recado de estímulo, escutar um conselho de alguém que já passou por uma situação difícil e conseguiu vencer é sempre benéfico, porém, isso é apenas o primeiro passo, pois sair de um estado emocional fragilizado, de uma situação de tristeza, de depressão é um processo que   requer um acompanhamento com profissionais especializados da área de saúde mental. Cuidar da saúde mental é primordial. Não hesite em procurar ajuda especializada”, ressalta a psicóloga.

“Mesmo um pequeno gesto de solidariedade, de empatia, de amizade, pode significar muito para alguém que esteja num momento difícil”

Maria Aparecida Miranda da Silva, que convida todos para participar da ação

Além de Maria Aparecida, o mural é uma realização do professor Luiz Sérgio Silva, do Departamento de Medicina Preventiva e responsável pela disciplina de Saúde do Trabalhado e do Projeto Ponto de Encontro; Fernanda Rocha Chaves Moreira, monitora da disciplina de Saúde do Trabalhador; Patrick Dias Albano Ramos, monitor da disciplina de Saúde do Trabalhador e do Projeto Ponto de Encontro; além de ter apoio de Thássyla Lobato da Gestão de Pessoas, Centro de Informática em Saúde (Cins), Centro de Comunicação Social e Diretoria da Faculdade de Medicina.

Exposição

Neste mês e no formato online, o Napem também apresenta a exposição “Metáforas em AmarElo”, com um catálogo de fotografias acompanhadas de poesias. Para conferir, acesse o site do Napem ou assista pelo YouTube.

“A exposição denominada Metáforas AmarElo surgiu de olhares sensíveis a diferentes pontos de vista e visuais em Belo Horizonte. Proposta por membros do Napem, esperamos alcançar a sensibilidade dos expectadores neste setembro AmarElo a partir das fotografias e trechos literários sutilmente selecionados pelos autores. ‘AmarElem-se’!”, convida o professor do Departamento de Anatomia e Imagem da Faculdade, Rodrigo Gadelha Gontijo, um dos membros responsáveis.

De acordo com Maria Aparecida Miranda a ideia da exposição surgiu a partir dos olhares para o amarelo em diferentes locais de Belo Horizonte e com diferentes pontos de vista. “É tão surpreendente a diversidade e as possibilidades de olhares. Cada pessoa enxerga algo de uma forma única e, portanto, vivencia uma situação, também, de forma única”, pontua.

“A exposição é um convite ao respeito às diferenças e às singularidades existentes entre as pessoas, é preciso escutar, olhar, de fato, para o outro, ajudar e não julgar”

Maria Aparecida Miranda da Silva

“Na pandemia tomamos gosto pela fotografia. Essa é a segunda exposição de fotos que fazemos. A primeira fez parte da programação da Semana de Saúde Mental da UFMG e foi uma experiência maravilhosa”, conta Maria Aparecida. Além dela e do professor Rodrigo Gadelha, são responsáveis pela exposição a Cecília Caram, psicóloga clínica e voluntária no Napem, e Paulo Sérgio Carneiro Miranda, médico, psicanalista, e professor aposentado da Faculdade de Medicina.