Acesso interno

Projeto oferece curso de abordagem da violência contra mulher para alunos da graduação

CRIM/UFMG oferece 100 vagas em curso com inscrições até 22 de janeiro.


19 de janeiro de 2022 - , , , , ,


Imagem: CRIM UFMG.

O projeto de Ensino, Pesquisa e Extensão sobre Crimes Contra a Mulher (CRIM/UFMG), abriu inscrições para o curso online “Violência contra mulher: uma abordagem para alunos da graduação”. Podem se inscrever graduandos da área da saúde da UFMG e de outras universidades, até o dia 22 de janeiro.

O curso tem o objetivo de apresentar as principais correntes teórico-metodológicas que embasam a abordagem da violência contra a mulher, conceitos e diretrizes da rede de enfrentamento da violência, visando uma abordagem qualificada dos futuros profissionais no cuidado à saúde da mulher em situação de violência.

O público alvo são estudantes regularmente matriculados nos cursos de Serviço Social, Biomedicina, Superior de Tecnologia em Radiologia, Educação Física, Enfermagem, Farmácia, Fisioterapia, Fonoaudiologia, Gestão de Serviços de Saúde, Medicina, Nutrição, Odontologia, Psicologia e Terapia Ocupacional. As atividades são autoinstrucionais, com certificação de 20 horas.

A ideia do curso surgiu da percepção de que, apesar da importância do tema e de ser um grave problema de saúde pública na atualidade, grande parte dos alunos que atuarão no setor saúde se formam sem conhecer as estratégias de identificação e condutas adequadas na abordagem da violência. “Diante dessa demanda, desenvolvemos, em conjunto com nossos alunos do CRIM: Violência de Gênero e Saúde, esse curso para que os futuros profissionais conheçam as principais correntes teórico-metodológicas e, dessa forma, consigam fazer uma abordagem mais qualificada e humanizada no cuidado à saúde da mulher em situação de violência”, afirma a professora do Departamento de Medicina Preventiva e Social da Faculdade de Medicina e coordenadora do CRIM, Elaine Machado.

Para os alunos, o grande ganho é poder beneficiar as mulheres que chegarem aos seus cuidados, em momentos de grande vulnerabilidade. “Há quem entre na graduação com a ideia de que vai conseguir salvar vidas, curar doenças e ser como um herói sem capa. Acho que a perspectiva de quando estamos em formação é mais a de que sempre podemos consolar as pessoas, nem que isso seja a única coisa ao nosso alcance. Mas quando se trata do conhecimento sobre o combate da violência contra as mulheres, saber reconhecer suas vítimas, acolhê-las, cuidá-las  e encaminhá-las, isso sim pode salvar vidas”, pontua Laura Rosa Poeiras Salvador Silva, aluna do 10° período de Medicina da UFMG.

Serão oferecidas 100 vagas, sendo 50 alunos da UFMG e 50 para estudantes de outras universidades. O preenchimento das vagas é por ordem de inscrição. A previsão para início do curso é em 24 de janeiro. 

Clique aqui para se inscrever.

Para mais informações, acesse o perfil do projeto no Instagram: @crimufmg

Leia mais: