Acesso interno

Disciplina nos protocolos e vacinação completa tornam avanço do Plano de Retorno mais seguro

Faculdade de Medicina da UFMG se planeja para avançar para a Fase 2 do Plano de Retorno a partir de 13 de setembro; em outubro será implantado o Ensino Híbrido Emergencial.


13 de setembro de 2021 - , , ,


Com o avanço da vacinação contra covid-19 e a melhora dos dados epidemiológicos, a partir deste 13 de setembro a UFMG avança para a Fase 2 do “Plano para o retorno presencial de atividades não adaptáveis ao modo remoto na UFMG”, em que é permitido o trabalho presencial com ocupação de até 40% dos espaços. A Universidade estabeleceu diretrizes para o avanço por meio do Ofício Circular Nº 5/2021 da Pró-Reitora de Recursos Humanos (PRORH). Disciplina nas medidas não-farmacológicas e vacinação completa de todos são a chave para retorno seguro às atividades presenciais, segundo infectologistas.

O documento informa que o avanço foi feito a partir das análises do Comitê da UFMG de Enfrentamento do Novo Coronavírus e da concordância da Comissão de Acompanhamento, designada pelo Conselho Universitário, a partir do cenário epidemiológico e avanço da vacinação. A decisão se soma à implantação do Ensino Híbrido Emergencial (EHE) para o próximo semestre letivo (a partir de 13 de outubro), também realizada pela melhora do cenário epidemiológico. 

“Na Faculdade de Medicina, o planejamento está sendo feito em diálogo com cada setor, a fim de se criar um retorno gradual, seguro, democrático e equitativo, seguindo sempre as orientações provenientes da administração Central, através do Comitê de Enfrentamento da Covid, bem como das Pró-Reitorias”, afirma o professor e diretor da unidade, Humberto Alves. 

Participam do diálogo docentes, discentes, Núcleos Docentes Estruturantes (NDEs), Colegiados, bem como o Comitê Local de Biossegurança. A questão é regulamentada pelo Ofício Circular Nº10/2021 da Pró-Reitoria de Graduação. A pós-graduação também já planeja o retorno do segundo semestre com atividades no modo EHE.

Laboratórios poderão retomar atividades nos próximos meses. Foto: Arquivo Faculdade de Medicina da UFMG.

Do ponto de vista da infraestrutura, grande parte das disciplinas dos cursos de graduação que foram planejadas para retorno híbrido vão ocupar espaços assistenciais, como por exemplo, o complexo ambulatorial do Hospital das Clínicas. No prédio Oscar Versiani, sede da Faculdade, os espaços que serão ocupados deverão ser laboratórios, como os de informática e de simulação (LABSIM). “A escala de ocupação desses espaços está sendo cuidadosamente planejada, para obedecer os limites de ocupação e distanciamento. E a escala de trabalho presencial dos servidores seguirá as mesmas diretrizes”, aponta a professora e vice-diretora, Alamanda Kfoury.

Cada setor deverá, em conjunto com suas chefias, elaborar suas escalas de trabalho presencial, considerando suas especificidades e necessidades. As propostas serão discutidas em conjunto com o Comitê Local de Biossegurança e a Diretoria. “Importante destacar que, para além de escalas de trabalho, serão reforçadas todas as medidas sanitárias individuais (uso de máscara, higiene das mãos, entre outros), e forte recomendação para que todos estejam com as duas doses de vacina completas”, afirma. 

O superintendente administrativo da Faculdade, Cleverson Pena, explica que o aumento da liberação de uso da unidade de 20% para 40% da capacidade e a definição da distância entre ocupantes para 1,5 metros abre novas possibilidades. Agora, o setor de Arquitetura está calculando as novas ocupações máximas. “Antes, o único espaço que comportava mais de 20 alunos era o Salão Nobre. Agora teremos mais espaços para disponibilizar”, analisa o superintendente. Sobre as atividades do EHE, os Colegiados já enviaram as solicitações das atividades presenciais das disciplinas para o Comitê Local. “Estamos mapeando, compatibilizando horários e avaliando ponto por ponto”, esclarece. 

Segurança

A disciplina no uso de máscaras, distanciamento entre pessoas, higiene das mãos e vacinação completa é um imperativo para retorno às atividades presenciais de forma segura para toda a comunidade acadêmica, até que entre 80% a 90% da população esteja plenamente vacinada, defende o professor do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina, Unaí Tupinambás. “Portanto, professores e servidores devem tomar as duas doses da vacina (no caso de vacinas de duas doses). Além de protegê-los, a vacinação protege os alunos, familiares e toda comunidade”, afirma. “Professores e servidores que não tomaram a primeira ou segunda dose devem fazer o mais rápido possível”, completa.

Apesar do cenário favorável, a variante Delta do vírus preocupa os especialistas. “A variante delta está chegando a quase 50% do total de casos, que é muito transmissível. Só a vacina não vai conseguir fazer frente a pandemia, temos que manter as medidas não-farmacológicas”, pontua. 

Uma das ações de controle é o MonitoraCovid UFMG, que foi desenvolvido para acompanhar pessoas da comunidade universitária em atividades presenciais e semipresenciais durante a pandemia. Professores, estudantes, funcionários terceirizados e servidores técnico-administrativos devem preencher o questionário de autoverificação de sintomas antes de comparecer às suas unidades

“Cada um de nós é responsável pelo controle da pandemia. Nós professores devemos ser exemplos, manter o mascaramento facial, distanciamento, lavar as mãos e vacinar”

A inclusão dos trabalhadores da educação entre os grupos prioritários na campanha de vacinação contra covid-19 foi pensada para propiciar um retorno mais seguro às atividades presenciais do setor. Segundo o Ofício Nº 5/2021, o Departamento de Atenção à Saúde do Trabalhador (DAST), da PRORH, irá monitorar a vacinação dos servidores da UFMG, com busca ativa e acolhimento dos que não se vacinaram, buscando esclarecer dúvidas ou inseguranças.

Acesse e leia a íntegra do Ofício Circular Nº 5/2021/PRORH-GAB-UFMG

Ensino Híbrido Emergencial

A implantação do EHE ocorre no âmbito do planejamento que a UFMG tem feito para o retorno gradual às atividades acadêmicas curriculares (AACs) em regime presencial, em consonância com o que dispõem o Plano para o retorno presencial e o Protocolo de Biossegurança e Adequação do Espaço Físico e Monitoramento da UFMG, entre outras normas que tratam do retorno.

Os critérios estabelecidos para cada etapa de retorno estão descritos na edição mais recente do Plano, publicada em junho. O Ensino Híbrido Emergencial (EHE) foi aprovado pela Câmara de Graduação, depois de ser debatido ao longo do último mês nas diferentes instâncias da Universidade.

A Diretoria da Faculdade de Medicina expressa expectativa positiva com a possibilidade de retorno presencial dessas atividades. “É sinal de que estamos em momento epidemiológico favorável. Vamos nos empenhar para fazer um planejamento responsável e gradual, ouvindo toda a comunidade”, acredita a vice-diretora Alamanda Kfoury. “Finalmente, exortamos a todas e todos para que, em demonstração de comportamento ético e solidário, completem seus esquemas vacinais contra a covid-19, principal arma no combate à pandemia”, finaliza.


Leia também: